Posts Tagged ‘Feijão-guandu’

Conhecimento que cuida do futuro: Projeto Pezinho na Terra em Alta Floresta/MT

sexta-feira, maio 5th, 2017
Imagem: Watson

Imagem: Watson Costa Santos.

Iniciativa conta com a ajuda da adubação verde para o desenvolvimento de hortas escolares

Watson Costa Santos é mais um exemplo de adubador do futuro! Exemplo esse que juntou sua iniciativa com a proposta da nossa adubadora, Sementes Piraí, em garantir que o conhecimento sustentável agrícola terá continuidade pelas próximas gerações.

Ele é o coordenador do Pezinho na Terra, desenvolvido na cidade matogrossense de Alta Floresta. As escolas Vicente Francisco e Ludovico da Riva Neto, respectivamente municipal e estadual, são as incubadoras do projeto, que visa apresentar o cultivo sustentável das hortas para as crianças, levando a prática da terra para a sala de aula e claro, promovendo o repasse de conhecimento às famílias de cada aluno participante. (mais…)

Recuperando pastagens degradadas com Feijão-guandu!

terça-feira, dezembro 13th, 2016

guandu_recuperacaodepastagens_sementespirai

Pesquisadores da Embrapa Pecuária Sudeste ao se depararem com o cenário de degradação da braquiária em solo arenoso e com infestação de grama batatais e outras ervas daninhas precisaram colocar as ideias pra pensar e estimar uma ação que revertesse essa situação e devolvesse ao solo as melhores condições para uma pastagem. A alternativa encontrada foi consorciar com o Feijão-guandu!

Dois anos após essa ação, os resultados alcançados foram: lotação média de 3,4 novilhas/ha e ganho de peso médio diário de 429 g/animal. Além dos resultados diretos, a pesquisadora Patrícia Anchão destacou outros benefícios no emprego da leguminosa em consórcio, como a dispensa de fertilizantes nitrogenados, uma vez que o Guandu é um adubo verde ótimo em fixação de N2. (mais…)

Estudo indica que culturas de rotação trazem aumento de produtividade para a cana entre 8% e 33%

quinta-feira, novembro 24th, 2016

_________________________________________________________________________

Obs: O texto de hoje é uma reprodução integral do excerto da Revista Cana Online. Agradecemos e creditamos a Cana Online todo o conteúdo textual postado abaixo.

_________________________________________________________________________

 

crotalariajuncea_canavial_canaviavelUma maneira de aumentar a produtividade da cana-de-açúcar é tornar o ambiente de produção mais favorável, o que pode ser feito com o uso de adubos verdes, leguminosas, em pré-cultivo à cana-de-açúcar. Essas plantas são empregadas nas áreas de implantação e reforma dos canaviais, constituindo uma alternativa importante para a reciclagem de nutrientes, com economia da adubação nitrogenada e geração de renda. Outros benefícios dessa prática são a conservação do solo, incremento de matéria orgânica e controle de plantas invasoras.

Vale destacar que o Brasil é o 6º maior consumidor de fertilizantes nitrogenados, sendo que grande parte desta demanda, aproximadamente 63%, é suprida com a importação deste insumo e com projeção para que chegue a 82% em 2025. (mais…)

Plantas de cobertura são parceiras do Manejo Integrado de Pragas!

sexta-feira, maio 13th, 2016
O percevejo castanho é uma das grandes preocupações das lavouras do Cerrado, como algodão e o milho - Imagem: Tecnoshow Comigo.

O percevejo castanho é uma das grandes preocupações das lavouras do Cerrado, como algodão – Imagem: Tecnoshow Comigo.

O entomologista e pesquisador da Embrapa Algodão, José Ednilson Miranda, defende o uso de plantas de cobertura no Manejo Integrado de Pragas (MIP) na cultura do algodão. Segundo ele, essa interação pode afetar a dinâmica populacional de insetos e isso é de suma importância para otimizar o MIP. Como é sabido, as plantas de cobertura fornecem proteção para o solo e são muito utilizadas no sistema plantio direto.

Um exemplo citado por Miranda é o percevejo castanho, que assola várias culturas do Cerrado, como o algodão e o milho. Sua ação é atacar a raiz da planta debilitando sua produtividade. O MIP aparece nesse caso aliando plantas de cobertura e rotação e ou sucessão de culturas adequadas, incluindo algumas vezes a utilização de químicos. Uma das mais maiores dificuldades em controlá-lo consta por sua polifagia, ou seja, o percevejo castanho se alimenta de culturas diversificadas e é migrante em períodos de chuva.

As perdas no algodoeiro estimam-se na casa de 5 a 7% do total produzido. O percevejo castanho injeta uma espécie de saliva tóxica e faz sucção da seiva das raízes, provocando enfraquecimento e atraso severo no crescimento e desenvolvimento do algodão, que adquire aspectos amarelados e raquíticos. Para o pesquisador da Embrapa, o controle químico não tem obtido o sucesso esperado e por isso, pesquisas em campo de controle naturais são observados.

Miranda recomenda a adoção de plantas de cobertura como o Feijão-guandu, Sorgo granfífero em consórcio com Brachiaria ruziziensis e gergelim consorciado com B. ruziziensis. Em áreas já infestadas por tal praga, o pesquisador não recomenda o uso de milho e milheto em rotação, pois tais espécies são hospedeiras do percevejo castanho.

Temos aí mais uma notória indicação de que é possível controlar naturalmente pragas e doenças que assolam culturas comerciais. O caso do controle do percevejo castanho na cultura do algodão vem sendo observado e pesquisado há tempos pela Embrapa Algodão e a ação de plantas de cobertura tem apontado resultados consideráveis. Sustentabilidade produtiva começa com a adoção de ações que minimizem impactos à saúde do solo e essa, com certeza, é uma ação deste tipo e que contribui para #adubarofuturo!

Fonte: Agrolink.

Adubação Verde e o Algodoeiro

A adubação verde é uma técnica que reduz custos com insumos e indica maior produtividade no algodoeiro.

Além disso a técnica auxilia no controle de nematoides, descompacta, estrutura e areja o solo, dentre outros benefícios. Saiba mais sobre seus benefícios acessando o conteúdo destinado à cultura do algodão no site da Sementes Piraí.

Agora, para conhecer mais sobre o Feijão-guandu citado na matéria acima como planta de cobertura no MIP, acesse aqui.

Informe-se e veja quão vantajoso é ser um adubador do futuro, planejando sua próxima safra contando com os benefícios da adubação verde!

Relembrar os benefícios da adubação verde é preciso!

quarta-feira, abril 20th, 2016
A Crotalária-spectabilis é uma leguminosa fixadora de N2 muito utilizada em várias culturas, como a cana-de-açúcar.

A Crotalária-spectabilis é um exemplo de leguminosa fixadora de N2 muito utilizada em várias culturas, como a cana-de-açúcar.

No Ano Internacional das Leguminosas, reforçar os benefícios que a adubação verde apresenta é validar a esperança no presente e  futuro sustentável produtivo!

A adubação verde é uma tecnologia agrícola milenar que utilizam plantas de várias espécies, em especial as leguminosas, para reciclar nutrientes, devolvendo ou potencializando a fertilidade do solo. Essas plantas, chamadas de adubos verdes, tem propriedades que associam bactérias da terra e transformar o nitrogênio atmosférico em compostos nitrogenados.

Formando uma espécie de cobertura vegetal os adubos verdes aumentam o teor de matéria orgânica e auxiliam na conservação da terra, pois também contribuem para a absorção da água e para a redução dos processos de erosão.

Alguns estudos, como o da Embrapa Agrobiologia, constataram o que uso de adubos verdes chegam a reduzir ou até mesmo eliminar a necessidade de aplicação de fertilizantes minerais com nitrogênio. Assim, ajudam a baratear os custos produtivos, uma vez que estes produtos são oriundos do petróleo e seus preços são dependentes da variação cambial diária.

Utilizando as leguminosas fixadoras de nitrogênio, como a Crotalária-spectabilis e o Feijão-guandu, o produtor ganha em rentabilidade produtiva, economia e sustentabilidade.

Para saber mais sobre os benefícios da adubação verde acesse o site da Sementes Piraí, nossa adubadora, navegue pelo site conhecendo os adubos verdes, as culturas beneficiadas e as publicações sobre o uso da adubação verde, oriundas de pesquisas de entidades nacionais e internacionais.

De quebra, mencionamos abaixo dois estudos da Embrapa Agrobiologia sobre o uso das leguminosas e seus benefícios às culturas agrícolas:

https://www.embrapa.br/documents/1355054/1527012/4a+-+folder+Aduba%C3%A7%C3%A3o+verde.pdf/6a472dad-6782-491b-8393-61fc6510bf7d

https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/recursos/AgrobCap18ID-rODRLL1PlX.pdf

 

Alternativa na recuperação de áreas degradadas!

quarta-feira, março 9th, 2016
Feijão-guandu (forrageiro) - Imagem: Sementes Piraí.

Feijão-guandu (forrageiro) – Imagem: Sementes Piraí.

A edição de 2016 da Dinapec – Dinâmica Agropecuária, que começa hoje em Campo Grande/MS, tem como objetivo apresentar novidades tecnológicas aos produtores, promovendo um intercâmbio de informações entre a academia/pesquisa científica e o campo. De olho nesse mote, a Embrapa Pecuária Sudeste (SP) apresenta a forrageira Guandu BRS Mandarim como alternativa para recuperação de pastagens.

Os estudos mais recentes apontam que 80% de área destinada à pecuária possui algum nível de dano de degradação, impactando negativamente o setor e as despesas do produtor. Uma área degradada implica na perda de vitalidade e recuperação natural do solo, implicando na queda produtiva e na diminuição de lotação animal por hectare.

Em consórcio com a braquiária, o feijão-guandu é uma opção eficaz para a ação de recuperação, garantindo a produtividade e a viabilidade econômica do setor. No momento atual, onde a degradação dos pastos significa uma preocupação a mais para o pecuarista, a confirmação de mais uma possibilidade de “tratamento” para este mal chega em ótima hora.

Alguns experimentos foram realizados na sede da Embrapa Pecuária Sudeste, Fazenda Canchim, observando, dentre outros benefícios, o aumento na lotação animal por hectares. Além disso, os estudos apresentaram 51% a mais de ganho de peso médio por cabeça, na área onde houve integração do feijão-guandu com a braquiária.

O guandu tem “duração” média de 36 meses na área, o que consiste em vantagem ao produtor, que não precisa replantar anualmente a leguminosa. Além disso, sua implantação é econômica, do ponto de vista financeiro. É uma tecnologia de fácil manejo, possui alto potencial para adubação verde (melhorando os aspectos do solo) e ainda serve de alimento para o rebanho.

Fonte: Agora MS.

Saiba mais sobre o Feijão-guandu

Acesse o site da Sementes Piraí e conheça todos os benefícios e indicações do Feijão-guandu. Aproveite para solicitar seu orçamento ou localizar o representante mais próximo.

Comece hoje mesmo a integrar sustentabilidade, economia e produtividade na sua pastagem. Opte pelo Feijão-guandu e todos os benefícios da adubação verde.

 

Adubação Verde nas férias escolares!

sexta-feira, dezembro 18th, 2015
Crianças da Escola 21 de Abril durante o plantio de adubos verdes na horta - Imagem: Tatiane Cruz.

Crianças da Escola 21 de Abril durante o plantio de adubos verdes na horta – Imagem: Tatiana Cruz.

Talvez o título desse post pareça meio estranho, não é? – Mas, continue a acompanhar o texto que você vai entendê-lo!

Sementes Piraí, nossa adubadora, tem compromisso firmado com a sustentabilidade na produção e sempre incentivam iniciativas dentro desse cenário, por meio da doação de sementes. E mais uma vez, somos os portadores de um desses episódios.

Hoje, a história é gaúcha de Caxias de Sul, tchê! E quem nos relata é Flávio Hillebrand, engenheiro agrônomo responsável pela ação.

“A Escola 21 de Abril está situada na linha Sebastopol, distrito de Vila Cristina, em Caxias do Sul. É umas das poucas escolas multisseriadas que restam com alunos do pré até a 5° série, juntos no mesmo ambiente. Nesta região há predominância de pequenos agricultores, cuja atividade principal é a produção de hortaliças, destinadas principalmente às Feiras do Agricultor e a programas oficiais como Banco de Alimentos, Merenda Escolar e Ponto de Safra. A proposta da horta orgânica partiu da coordenação da escola, dentro de sua linha pedagógica de inserção e pertencimento à comunidade. O objetivo é despertar nas crianças e quiçá nos pais, o interesse pela agricultura orgânica e sustentabilidade, e conta com a parceria da Secretaria da Agricultura através dos Agrônomos Cristiano Alvorecem e Flávio Hillebrand.”

A partir do interesse da coordenadoria da escola, os agrônomos Alvorecem e Hillebrand correram atrás de sementes que viabilizassem o projeto e através da ação de Doação de Sementes da Sementes Piraí, conseguiram as seguintes espécies:

A partir daí, agrônomos e professores se juntaram na tarefa de auxiliar os alunos a plantar as espécies de adubos verdes na horta escolar, para o período de férias.

O resultado dessa plantação será colhido em forma de partilha de conhecimento para uma geração que contribuirá e muito para a disseminação da sustentabilidade agrícola na região da escola 21 de Abril.

Isso é #adubarofuturo!

Parabenizamos a Escola 21 de Abril pela iniciativa de trabalho e conscientização verde dentro da Instituição, os agronômos envolvidos na execução da ação e os nossos adubadores da Sementes Piraí que possibilitaram a realização do projeto.

Caso você também desenvolva um projeto ou uma pesquisa e quer contar com a ajuda da adubação verde via doação de sementes, contate a Sementes Piraí.

_____________________________________________________________________

Obs: o texto acima contou com a colaboração de Gabriela Dandolini da Silveira, do setor de comunicação da SMAPA/Caxias do Sul. Agradecemos a ela por todo o apoio.