Posts Tagged ‘Bioma’

27 de Abril – Dia da Caatinga

quinta-feira, abril 27th, 2017

dia_da_caatinga_adubarofuturo_blog

No Dia da Caatinga partilhamos a boa not√≠cia de que o governo liberou quase tr√™s milh√Ķes para recuperar esse bioma! A Embrapa ser√° respons√°vel pelas a√ß√Ķes, que v√£o usar o Sistema de Integra√ß√£o Lavoura-Pecu√°ria-Floresta (ILPF), como forma de estimular a produ√ß√£o nas unidades agr√≠colas.

Fonte: Portal Brasil

Projeto Biomas Amaz√īnia: o caminho at√© aqui!

terça-feira, novembro 1st, 2016
Imagem: CNA.

Imagem: CNA.

Compreendendo oito estados, sendo integral ou parcialmente, o Bioma Amaz√īnia √© parte de 60% do territ√≥rio nacional. Suas caracter√≠sticas est√£o presentes na riqueza vegetal, na presen√ßa da fauna e nas condi√ß√Ķes clim√°ticas, que muito auxiliam na manuten√ß√£o de sua bacia hidrogr√°fica. Por isso, preservar tal bioma √© de fundamental import√Ęncia para se #adubarofuturo!

Para tanto, h√° quatro anos algumas for√ßas se uniram e deram in√≠cio ao Projeto Biomas Amaz√īnia. Entre elas a Confedera√ß√£o da Agricultura e Pecu√°ria do Brasil (CNA), a Empresa Amaz√īnia Oriental e outras institui√ß√Ķes de ensino e pesquisa. Seu principal objetivo est√° em plantar √°rvores em sistemas produtivos homog√™neos ou consorciados com culturas anuais, favorecendo o equil√≠brio do bioma e oferecendo fontes de renda alternativas aos produtores rurais. (mais…)

I Feira de Sementes Ind√≠genas de Rond√īnia

quinta-feira, outubro 27th, 2016
Imagem: Divulgação.

Imagem: Divulgação.

Hoje partilhamos um convite de evento muito especial vindo l√° de Rond√īnia!

Ser√° realizada¬†nos dias 01, 02 e 03 de novembro a I Feira de Sementes Ind√≠genas de Rond√īnia, “Troca de sementes, troca de saberes” – Sogahy Epariht, ¬†na aldeia G√£pgir, linha 14, Terra Ind√≠gena Sete de Setembro em Cacoal.

Sua realiza√ß√£o tem como objetivo fortalecer os povos ind√≠genas valorizando os conhecimentos tradicionais relacionados √† agrobiodiversidade, a valoriza√ß√£o da alimenta√ß√£o tradicional, da gest√£o territorial e ambiental nas terras ind√≠genas. (mais…)

Curso: Recomposição da vegetação do Cerrado!

terça-feira, outubro 4th, 2016
Registro de um dos momentos de campo do curso "" - Imagem: Breno Lobato/Embrapa.

Registro de um dos momentos de campo do curso “Recomposi√ß√£o da Vegeta√ß√£o no Cerrado” – Imagem: Breno Lobato/Embrapa.

Uma a√ß√£o promovida em conjunto pela Embrapa Cerrados e pela Emater – DF contribuiu para formar multiplicadores/defensores da vegeta√ß√£o do cerrado no final de agosto. Aproximadamente 30 t√©cnicos de institui√ß√Ķes p√ļblicas e privadas da regi√£o da capital federal participaram do curso ‚ÄúRecomposi√ß√£o da Vegeta√ß√£o no Cerrado‚ÄĚ. A iniciativa contou com o apoio do Projeto Biomas, da Confedera√ß√£o da Agricultura e Pecu√°ria do Brasil (CNA), do Minist√©rio do Meio Ambiente, da Rede de Fomento ILPF e da Deutsche Gesellschaft f√ľr Internationale Zusammenarbeit (GIZ).

Temas como as tecnologias e os processos sobre a legisla√ß√£o ambiental, a caracteriza√ß√£o do Cerrado, a produ√ß√£o de mudas, as metodologias para recupera√ß√£o de √°reas degradadas e a apresenta√ß√£o da ferramenta virtual Webambiente compuseram a grade do curso. (mais…)

Novos caminhos para os rejeitos de minério da Samarco!

quinta-feira, setembro 8th, 2016
O Rio Gualaxo do Norte é um dos beneficiadas pela execução de projetos sustentáveis que deem destino aos rejeitos de minério - Imagem: Leandro Couri/EM/ DA Press).

O Rio Gualaxo do Norte é um dos beneficiados pela execução de projetos sustentáveis que aproveitem os rejeitos de minério РImagem: Leandro Couri/EM/ DA Press).

Solu√ß√Ķes sustent√°veis s√£o o caminho para o aproveitamento das milh√Ķes de toneladas de rejeitos de min√©rio provenientes do rompimento da barragem de Fund√£o, pertencente √† Samarco, em novembro passado. A Funda√ß√£o de Amparo √† Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fepamig) indicou que o material pode ser aproveitado na constru√ß√£o civil, na fabrica√ß√£o de tijolos, blocos, pisos, entre outros materiais.

A Fepamig tem trabalhado buscando iniciativas sustent√°veis para o aproveitamento dos rejeitos, minimizando assim o impacto ao meio ambiente, permitindo que ele possa se reconstruir mais rapidamente. Desde abril, com a abertura de uma chamada p√ļblica, a institui√ß√£o recebeu mais de 150 projetos dos quais 29 foram encaminhados para contrata√ß√£o. Para sua execu√ß√£o um aporte de quatro milh√Ķes de reais ser√° necess√°rio.

Dos 29 projetos submetidos √† contra√ß√£o, seis atendem a tem√°tica de Recupera√ß√£o do Solo, sete sobre Recupera√ß√£o da √Āgua, oito na Recupera√ß√£o da Biodiversidade e na linha de Tecnologias Sociais. (mais…)

Código Florestal, o site que ajuda a #adubarofuturo!

terça-feira, setembro 6th, 2016
Imagem: Código Florestal (hot site).

Imagem: Código Florestal (hot site).

Voc√™ deve ter estranhado a men√ß√£o de “C√≥digo Florestal” como um site, n√£o? Mas √© isso mesmo! Desde o √ļltimo dia 27 a Embrapa colocou online um novo site que re√ļne estrat√©gias de recupera√ß√£o, cat√°logos de esp√©cies e contatos de fornecedores de mudas e sementes. Tal ferramenta foi batizada de “C√≥digo Florestal: contribui√ß√Ķes para adequa√ß√£o ambiental da paisagem rural” e apresenta todas as a√ß√Ķes desenvolvidas pela Embrapa e seus parceiros no tocante √† prote√ß√£o vegetal.

Al√©m disso, o site mostra de forma l√ļdica a Lei de Prote√ß√£o da Vegeta√ß√£o Nativa – legisla√ß√£o que ficou conhecida como novo “C√≥digo Florestal”. O conte√ļdo re√ļne v√°rias tem√°ticas como as experi√™ncias em restaura√ß√£o, as boas pr√°ticas agropecu√°rias, a indica√ß√£o das esp√©cies nativas por biomas, os viveiros de produ√ß√£o de sementes e mudas, as solu√ß√Ķes tecnol√≥gicas e compila as publica√ß√Ķes da Embrapa e demais institui√ß√Ķes.

Cada aba do site possui abordagens que variam da mais b√°sica a mais complexa, norteando o passo-a-passo de cada a√ß√£o que o produtor desejar fazer. (mais…)

5¬ļ Workshop sobre Restaura√ß√£o Florestal

terça-feira, agosto 16th, 2016
Imagem: GADE.

Imagem: GADE.

Temos um convite para os estudiosos sobre recupera√ß√£o florestal: nos dias 25, 26 e 27 pr√≥ximos, o GADE (Grupo de Adequa√ß√£o Ambiental da Esalq/USP) promover√° o 5¬ļ Workshop sobre Restaura√ß√£o Florestal. O evento ser√° realizado todos os dias no per√≠odo matutino e vespertino no Anfiteatro do Pavilh√£o da Engenharia, na Esalq.

O Workshop ter√° como p√ļblico-alvo os profissionais da √°rea de ci√™ncias agr√°rias, florestais e biol√≥gicas, estudantes de gradua√ß√£o e p√≥s-gradua√ß√£o, propriet√°rios rurais, institui√ß√Ķes p√ļblicas e privadas, al√©m do terceiro setor.

Abaixo segue a programação completa do evento:

Imagem: GADE.

Imagem: GADE.

Para se inscrever, basta acessar o site da FEALQ clicando aqui.

Outra informa√ß√Ķes s√£o passadas pelo GADE pelos contatos:

Est√≠mulo √†s propriedades sustent√°veis na Amaz√īnia e Mata Atl√Ęntica!

terça-feira, julho 19th, 2016
Imagem: Divulgação.

Imagem: Divulgação.

Uma boa not√≠cia para agricultores da regi√£o Amaz√īnica e da Mata Atl√Ęntica que querem tornar suas propriedades mais sustent√°veis. O Programa Rural Sustent√°vel “desembarcou” na √°rea e vai auxiliar os interessados nessa mudan√ßa numa √°rea de abrang√™ncia de 70 munic√≠pios dos dois biomas. A inten√ß√£o do programa, em suma, √© ajudar na redu√ß√£o da press√£o para desmatamento de novas √°reas, na diminui√ß√£o da emiss√£o de gases do efeito estufa e na conserva√ß√£o da biodiversidade.

Para tanto os agricultores devem inscrever suas propriedades no Projeto Rural Sustent√°vel at√© o dia 19 de agosto. Ser√£o selecionadas 3500 pequenas e m√©dias propriedades dos estados de MT, PA, RO, BA, MG, PR e RS, que ter√£o financiadas suas a√ß√Ķes de transforma√ß√£o para √°reas de agricultura de baixo carbono (incluindo tecnologias como o sistema ILPF, a recupera√ß√£o de √°reas degradadas, o manejo sustent√°vel de florestas nativas, entre outras). Haver√° tamb√©m verbas destinadas √† capacita√ß√£o dos produtores, contando com o aux√≠lio do t√©cnicos extensionistas e de assist√™ncia rural.

Nas condi√ß√Ķes para inscri√ß√£o o propriet√°rio precisa atestar:¬† propriedade de at√© 15 m√≥dulos fiscais, constar num dos munic√≠pios pontuados e como unidade de produ√ß√£o familiar rural e ter posse legal da √°rea.¬† Assentados da reforma agr√°ria ou pessoas f√≠sicas e ou jur√≠dicas que representem associa√ß√Ķes e cooperativas tamb√©m podem se inscrever. Para saber se o seu munic√≠pio faz parte da lista, acesse aqui.

O Programa √© uma iniciativa fruto da parceria entre os governos brasileiro e brit√Ęnico, que prop√Ķe uma coopera√ß√£o t√©cnica no √Ęmbito da agricultura de baixo carbono e desmatamento evitado para reduzir a situa√ß√£o de pobreza no pa√≠s. O financiamento da a√ß√£o √© executado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e alimentado pelo Fundo Internacional para o Clima (International Climate Fund (ICF) do Minist√©rio da Agricultura, da Alimenta√ß√£o, da Pesca e dos Assuntos Rurais do Reino Unido.

Observados os pré-requisitos de inscrição no Programa Rural Sustentável, obtenha mais detalhes e efetue a inscrição de sua propriedade clicando aqui.

Fonte: Agência Brasil

Falando em propriedades sustentáveis, por que não falarmos de adubação verde?

Você sabia que a adubação verde é uma tecnologia de recuperação e melhoramento de solos agrícolas inclusa na Agricultura de Baixo Carbono? Pois bem, dentre seus benefícios estão:

  • prote√ß√£o do solo contra os agentes da eros√£o e radia√ß√£o solar;
  • redu√ß√£o da incid√™ncia de pragas e doen√ßas nas culturas;
  • contribui√ß√£o para o sequestro de carbono;
  • intensifica√ß√£o da atividade biol√≥gica do solo.

Não perca mais tempo e conheça melhor a adubação verde e como ela pode ajudar a sua produção a ser mais sustentável e rentável. Acesse o site da Sementes Piraí e conheça o futuro produtivo!

 

Projeto Biomas – Mata Atl√Ęntica!

quarta-feira, julho 6th, 2016
√Ārea de Mata no Esp√≠rito Santo - Imagem: CNA/RuralCentro.

√Ārea de Mata no Esp√≠rito Santo – Imagem: CNA/RuralCentro.

A Mata Atl√Ęntica √© um bioma com extens√£o atual de mais de 100.000 km¬≤, passando por tr√™s pa√≠ses: Argentina, Brasil e Paraguai. Por aqui, ainda restam cerca 8% de vegeta√ß√£o original, mais concentrada na regi√£o da Serra do Mar. Sua rica diversidade varia das regi√Ķes e das condi√ß√Ķes clim√°ticas onde ela est√° presente e isso foi o mote para a Confedera√ß√£o Nacional da Agricultura (CNA) startar uma a√ß√£o alertando sobre sua preserva√ß√£o e seu manejo correto.

O Projeto Biomas – Mata Atl√Ęntica tomou forma gra√ßas a uni√£o entre CNA e Embrapa, objetivando o desenvolvimento de pesquisas cujo o cerne √© utilizar de forma sustent√°vel a √°rvore dentro da propriedade rural. Dessa forma, alguns modelos ser√£o testados observando a √°rvore como componente do sistema produtivo e evidenciado seu potencial de restaura√ß√£o e composi√ß√£o da √°rea, unindo renda e preserva√ß√£o.

A a√ß√£o j√° conta com uma √°rea experimental de 35 hectares localizada no Esp√≠rito Santo. O local est√° com sua capacidade praticamente preenchida por variados v√©rtices de pesquisas nas √°reas de recupera√ß√£o compostas por √°reas de preserva√ß√£o permanente, reserva legal e sistema de produ√ß√£o. O trabalho de pesquisa envolve uma rede colaborativa, com 61 pesquisadores de diferentes institui√ß√Ķes.

A priori, o plantio de árvores para a recuperação de áreas degradadas terá atenção especial do Projeto, a fim de se comparar a evolução, o crescimento e a adaptabilidade de cada espécie. Dessa forma, a equipe quer comprovar que, de acordo com a espécie e o manejo utilizado, o produtor pode ter sucesso na ação, gerando renda e preservando o Bioma. Isso é #adubarofuturo!

Fonte: Agrolink.

Recuperação de áreas degradadas com adubação verde

Você sabia que a adubação verde pode virar o jogo nas áreas que caminham para a improdutividade ou já se encontram nessa situação por conta da degradação?

Pois bem, a utiliza√ß√£o dos adubos verdes melhora a capacidade f√≠sica, qu√≠mica e biol√≥gica do solo, que tem suas condi√ß√Ķes naturais reavivadas e pode voltar a produzir com efici√™ncia e sustentabildade.

Para saber mais sobre a ação da adubação verde na recuperação de áreas degradadas, acesse o site da Sementes Piraí e confira todos os seus benefícios. Produzir mais, melhor e com sustentabilidade só depende de uma ação sua, a adoção da adubação verde!

Vegetação do Agreste ganha reforço para sua preservação!

terça-feira, junho 7th, 2016
O Mandacaru é uma das espécies de cactáceas estudadas pela UFAL - Imagem: Divulgação.

O Mandacaru é uma das espécies de cactáceas estudadas pela UFAL РImagem: Divulgação.

Preservar as esp√©cies vegetais do Agreste/Sertao Nordestino implica em #adubarofuturo do bioma Caatinga. Para tanto, pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) – campus Arapiraca tem estudado a propaga√ß√£o de esp√©cies de cact√°ceas como o mandacaru, xique-xique e da coroa-de-frade. Todo o trabalho √© realizado Centro de Refer√™ncia em Conserva√ß√£o da Natureza e Recupera√ß√£o de √Āreas Degradadas (CR-ad) da Universidade.

Nos √ļltimos anos, v√°rios fatores colaboraram para a diminui√ß√£o dessas cact√°ceas em seu habitat, como a constante seca e a ornamenta√ß√£o. A principal motiva√ß√£o dos estudos ent√£o est√° na conserva√ß√£o gen√©tica original dessas esp√©cies.

O próximo passo será a reprodução dessas plantas em laboratório objetivando no médio prazo seu plantio em áreas degradadas.  O estudo quer também ter um banco de matrizes à disposição para reprodução, repetindo o ciclo natural da vida desses vegetais, para garantir seu futuro na natureza.

Consideradas símbolos da Caatinga, as cactáceas servem como fonte de alimentação animal, algumas espécies são utilizadas como ornamento em projetos de jardinagem e paisagismo e a coroa-de-frade, em especial, pode ser aproveitada também na culinária. Além disso, essa espécie vegetal é considerada uma espécie de reservatório do sertão, uma vez que armazena água das chuvas em seu interior.

Fonte: A Tribuna Hoje.

Mato Grosso age contra o desmatamento!

quinta-feira, maio 12th, 2016
Reverter cenários como a da foto é o objetivo principal do - Imagem: Arquivo/Agência Brasil/Expresso MT.

Reverter cenários como a da foto é o objetivo principal do Codi РImagem: Arquivo/Agência Brasil/Expresso MT.

Atuar contra o desmatamento significa #adubarofuturo do meio ambiente, colaborando para que a vegetação nativa continue existindo em segurança. Partindo desse princípio Mato Grosso resolveu agir: desde o início de abril, o estado conta o Comitê de Inteligência para o Combate ao Desmatamento, a Exploração e a Degradação Florestal Ilegal (Codi).

O √≥rg√£o faz parte das metas contidas na a√ß√£o “Produzir, Conservar e Incluir”, proposta durante a realiza√ß√£o da COP21 no ano passado, em Paris. Apenas no segundo semestre de 2015, o estado foi respons√°vel por mais de 36% do total de quil√īmetros quadrados desmatados na regi√£o da Amaz√īnia Legal. Ao todo, oito estados comp√Ķem essa √°rea. Os dados prov√©m do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amaz√īnia (Imazon).

A a√ß√£o do Comit√™ √© integrar a√ß√Ķes de intelig√™ncia, preven√ß√£o e combate ao desmatamento, a explora√ß√£o e a degrada√ß√£o do √Ęmbito da floresta ilegal no estado. Sua forma√ß√£o √© composta pelo Poder P√ļblico com suas Secretarias de Meio Ambiente (Sema) e Seguran√ßa P√ļblica (SESP) e o Instituto de Defesa Agropecu√°ria do Estado de Mato Grosso (Indea) e tamb√©m √≥rg√£os federais convidados como o Minist√©rio P√ļblico Estadual, a Procuradoria Regional da Rep√ļblica da 1¬™ Regi√£o, as Superintend√™ncias da IBAMA e da Pol√≠cia Federal.

Esperamos que partindo desse trabalho o estado consiga reverter a situa√ß√£o do desmatamento ilegal, captando, julgando e punindo os culpados. Isso aliviar√° a natureza dos maus tratos impostos pela gan√Ęncia do ser humano e tamb√©m, ajudar√° aqueles que lutam diariamente para proteger esse bem t√£o fundamental √† exist√™ncia humana.

Fonte: Agrolink.

 

Recuperação após o mar de lama!

terça-feira, fevereiro 23rd, 2016
Os projetos contemplados pelo Edital ajudar√£o a recuperar toda a Bacia do Rio Doce - Imagem: Leonardo Mer√ßon/ Instituto √öltimos Ref√ļgios/ Divulga√ß√£o/ Exame.

Os projetos contemplados pelo Edital ajudar√£o a recuperar toda a Bacia do Rio Doce – Imagem: Leonardo Mer√ßon/ Instituto √öltimos Ref√ļgios/ Divulga√ß√£o/ Exame.

Ap√≥s o caos instaurado em toda a bacia do Rio Doce, com a enxurrada de lama e dejetos minerais, proveniente do rompimento da barragem de Fund√£o – pertencente √† mineradora Samarco, janeiro √ļltimo trouxe uma boa not√≠cia para reverter a situa√ß√£o e come√ßar a devolver a vida no manancial. Um edital publicado no dia 07/01, destina mais de seis milh√Ķes de reais para projetos que visem a recupera√ß√£o da regi√£o.

A Famemig (Funda√ß√£o de Amparo √† Pesquisa de Minas Gerais) divulgou uma nota observando que projetos ser√£o direcionados para a recupera√ß√£o do solo, da √°gua e de toda biodiversidade do entorno do rio. At√© o pr√≥ximo dia 07 de mar√ßo, os projetos aprovados seguindo os tr√Ęmites e proposi√ß√£o do edital, ser√£o contemplados com os recursos.

Batizado com “Tecnologias para Recupera√ß√£o da Bacia do Rio Doce”, o edital √© fruto da parceria entre as funda√ß√Ķes Fepamig e Fapes (do Esp√≠rito Santo), que tamb√©m conta com o apoio da Coordena√ß√£o de Aperfei√ßoamento de Pessoal de N√≠vel Superior (Capes), do governo federal.¬† A inten√ß√£o √© beneficiar propostas que contribuam para a recupera√ß√£o do meio ambiente, tanto quanto da popula√ß√£o afetada. Todo o acompanhamento das a√ß√Ķes ser√° executado semestralmente.

Ao todo, o mar de lama com rejeitos de quantidade de 50 milh√Ķes de m¬≥, devastou 663km do Rio, de seus afluentes, destruindo tamb√©m mais de 1400 hectares de vegeta√ß√£o, inclusive as APPs (√°reas de preserva√ß√£o permanente). Os dados s√£o do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renov√°veis).

Enquanto n√£o se v√™ a√ß√Ķes concretas por parte da causadora do problema, ler not√≠cias como essa, alimenta a esperan√ßa de ver o Rio Doce e toda sua fauna e flora vivos novamente. Que os bons projetos se destaquem, sejam executados com primazia e que seus frutos devolvem o f√īlego da regi√£o toda. Isso, com certeza, √© #adubarofuturo!

Fonte: UOL Notícias.

 

Monitoramento de biomas em tempo real!

quinta-feira, fevereiro 11th, 2016
O Parque Estadual de Terra Ronca, pertecente ao Cerrado Brasileiro, √© uma das regi√Ķes que continuar√° a ser monitorada. Os demais biomas brasileiros tamb√©m ser√£o beneficiados pelo Programa do MMA - Imagem: Rui Faquini/Fotoponto.

O Parque Estadual de Terra Ronca, pertencente ao Cerrado, √© uma das regi√Ķes que continuar√° a ser monitorada. Os demais biomas brasileiros tamb√©m ser√£o beneficiados pelo Programa do MMA – Imagem: Rui Faquini/Fotoponto.

Os biomas brasileiros ser√£o monitorados em tempo real. O an√ļncio foi feito pelo Minist√©rio do Meio Ambiente (MMA), no final de novembro. Ele ser√° o respons√°vel pelo monitoramento de todos os biomas em tempo real e peri√≥dico. Para isso, um grupo de trabalho foi montado para atuar exclusivamente no Programa Nacional de Monitoramento da Cobertura e Uso das Terras.

Na oportunidade, o MMA apresentou os dados de monitoramento do desmatamento do Cerrado de 2011 e do Terraclas de 2013. Atualmente, o Cerrado permanece com 54,5% de sua vegetação original. A intenção do Ministério com o lançamento do Programa é em manter/aumentar a preservação das áreas nativas ou em reflorestamento, seguindo o cronograma de cooperação da ação.

O monitoramento j√° acontece desde 2002 e de l√° at√© 2011, 58% do Cerrado foi poupado do desmatamento. O bioma abrange onze estados e o Distrito Federal e concentra 30% da biodiversidade brasileira, apresentando-se como o segundo maior bioma do pa√≠s, atr√°s da Amaz√īnia.

O Programa tamb√©m vai beneficiar os outros biomas brasileiros: Caatinga, Mata Atl√Ęntica, Pantanal, Pampas e Amaz√īnia. Os resultados colhidos ser√£o apresentados num formato a ser estudado pelo grupo atuante na a√ß√£o em conjunto com o MMA. Essa atividade ir√° contribuir na recupera√ß√£o dos biomas, propiciando a sustentabilidade regional. Isso √© #adubarofuturo!

Fonte: Sou Agro.

COP 21 e o futuro do mundo!

terça-feira, dezembro 1st, 2015
Imagem: Divulgação.

Imagem: Divulgação.

Come√ßou ontem, na Fran√ßa, a 21¬™ edi√ß√£o da Confer√™ncia do Clima de Paris. Neste ano, 195 pa√≠ses se re√ļnem para debater o futuro do mundo sob os efeitos do aquecimento global, promovendo troca de ideias e propostas, afim de se chegar num denominador comum: o que fazer para frear o aumento de temperatura e suas consqu√™ncias?

O¬†secret√°rio-geral da ONU (Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas), Ban Ki-moon, se mostrou otimista em seu discurso, por√©m precavido da urg√™ncia da situa√ß√£o clim√°tica. Ele acredita que a COP 21 precisa colocar os pa√≠ses numa situa√ß√£o diferente: crescer sem utilizar combust√≠veis fosseis e fechar compromisso com a redu√ß√£o da emiss√£o dos gases que provocam efeito estufa.

Fundamental, para ele, √© que seja celebrado um acordo com o compromisso, dos 195 pa√≠ses participantes, para manter o aquecimento global abaixo de 2¬ļC, at√© a virada do s√©culo. Isso, j√° vem ocorrendo de forma mais unilateral, pois 180 na√ß√Ķes j√° apresentam alguns planos e projetos desnvolvidos. O necess√°rio agora, √© fazer com qu todos se comprometam com um acordo com o peso da lei.

Por√©m, existem alguns impasses para que um acordo global seja fechado em unanimidade, haja visto que os presidentes s√£o apenas representa√ß√Ķes de suas na√ß√Ķes. Ou seja, antes de seu “sim” final, √© preciso que todas as propostas recebam o sim dos Congressos e demais entidades que regem o crescimento de cada pa√≠s. Os Estados Unidos √© um exemplo: qualquer tratado precisa do aval do Congresso para ser aplicado no pa√≠s e como Barack Obama √© do partido opositor ao Congresso, toda e qualquer negocia√ß√£o j√° conta com um entrave.

E como est√° o Brasil nessas?

O Brasil foi a COP 21 com muito a apresentar: o desmatamento na Amaz√īnia caiu para 5,8 mil km¬≤ (antes, em 2005, era 27 mil km¬≤). Para os √ļltimos 10 anos a queda √© considerada expressiva e, ainda que o √ļltimo levantamento apresentou aumento de 16% no desmatamento, n√£o freou as men√ß√Ķes positivas e as oportunidades de investimento para continuar enfrentando o cen√°rio.

Prova disso √© o acordo bilion√°rio com a Noruega, que foi renovado e vai investir no fundo Amaz√īnia mais 900 milh√Ķes de dol√°res. ¬†Al√©m dele, o governo da Dinamarca tamb√©m confirmou participa√ß√£o na a√ß√£o, doando cerca de 600 milh√Ķes de d√≥lares. ¬†A meta brasileira √© at√© 2030, zerar o destamatamento e susbtituir 45% dos combust√≠veis f√≥ssis por energia renov√°vel.

Ainda sob qualquer prova de avan√ßo, muito h√° de ser feito pelo Brasil e as 194 demais na√ß√Ķes, para que os esfor√ßos individuais sejam representados por benef√≠cios coletivos. Reciclar o retr√≥gado Protocolo de Kyoto, assumindo o compromisso citado por Ban Ki-moon √© de total import√Ęncia para que essa coalis√£o realmente exista. #Adubarofuturo do mundo depender√° √ļnica e exclusivamente da capacidade de negocia√ß√£o humana em prol de um mundo em potencial crescente, com a√ß√Ķes 100% verdes! S√≥ depende de n√≥s ;)

Fonte: Folha de S.Paulo e G1.

Agricultor, faça a sua parte!

A sua lavoura pode contribuir com a COP 21, você sabia?

Pois bem, utilizando a adubação verde você colhe benefícios diretos na produtividade e economia de gastos, mas também colabora promovendo a sustentabilidade do seu cultivar, contribuindo para a diminuição na emissão de gases do efeito estufa!

Quer saber mais? РAcesse o site da nossa adubadora Sementes Piraí e conheça todos os benefícios da adubação verde! Entre hoje mesmo para o time da produção agrícola sustentável, que cuida do futuro do solo e do meio ambiente!

 

Capacitação em sustentabilidade é a nova ação da Embrapa!

quarta-feira, outubro 28th, 2015
Apresentação do projeto em Brasília - Imagem: Embrapa/Mundo GEO.

Apresentação do projeto em Brasília РImagem: Embrapa/Mundo GEO.

A Embrapa lan√ßou no final de setembro em Bras√≠lia, sua mais nova a√ß√£o em prol da agricultura sustent√°vel. O projeto batizado de¬†“Integra√ß√£o da conserva√ß√£o da biodiversidade e uso sustent√°vel nas pr√°ticas de produ√ß√£o de produtos florestais n√£o madeireiros e sistemas agroflorestais em paisagens florestais de usos m√ļltiplos de alto valor para a conserva√ß√£o” busca capacitar pequenos produtores e agricultores familiares para o uso sustent√°vel de recursos naturais.

Juntamente com o¬†Programa das Na√ß√Ķes Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), que disponibilizou verba em doa√ß√£o de seis milh√Ķes de d√≥lares, e recursos disponibilizados do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), o projeto tem dura√ß√£o de cinco anos e foco de atua√ß√£o nos¬†biomas da Amaz√īnia, da Caatinga e do Cerrado.

Outras entidades somam √† a√ß√£o, como a Companhia Nacional de Abastecimento, o¬†Instituto Chico Mendes de Conserva√ß√£o da Biodiversidade (ICMBio), os¬†minist√©rios do Meio Ambiente, do Desenvolvimento Social, do Desenvolvimento Agr√°rio e da Agricultura, o Servi√ßo Florestal Brasileiro (SFB) e organiza√ß√Ķes da sociedade civil.

O objetivo √© capacitar o p√ļblico-alvo em t√©cnicas de manejo para extra√ß√£o de produtos florestais. A forma√ß√£o servir√° tanto para o extrativismo, quanto para sistemas integrados entre agricultura e floresta, sempre priorizando a prote√ß√£o do bioma. Nos primeiros tr√™s anos do projeto, espera-se capacitar ¬†540 t√©cnicos e 3 mil fam√≠lias.

Os Territ√≥rios da Cidadania (TC) escolhidos s√£o o Alto Rio Pardo (MG) e M√©dio Mearim (MA), no Cerrado, o Sert√£o S√£o Francisco (BA) e Sobral (CE), na Caatinga, e o Alto Acre e Capixaba (AC) e Maraj√≥ (PA), na Amaz√īnia. Tal a√ß√£o indica o desenvolvimento sustent√°vel puro, amplia a sustentabilidade em n√≠veis ambientais, sociais e econ√īmicos e √© uma grande contribui√ß√£o para #adubarofuturo dos biomas brasileiros.

Fonte: Portal Brasil

Desenvolvimento sustentável passa pela adubação verde

Conscientizar sobre a import√Ęncia de produzir preservando o meio ambiente √© dever de todos aqueles que acreditam num futuro melhor. E uma das a√ß√Ķes de conscientiza√ß√£o est√° na t√©cnica da aduba√ß√£o verde!

A pr√°tica √© 100% sustent√°vel, haja visto que o uso dos adubos verdes contribuem para a redu√ß√£o de emiss√£o de CO2, auxiliam na reestrutura√ß√£o¬†da terra pela cobertura vegetal e possibilitam recuperar ou manter a sa√ļde produtiva do solo, j√° que as plantas utilizadas¬†possuem caracter√≠sticas recuperadoras, recicladoras e condicionadoras.

Garantir produtividade em prol do meio ambiente preservado √© a√ß√£o dispon√≠vel para todos os agricultores. Para saber mais como entrar para o time de quem cuida do futuro, basta acessar a p√°gina da nossa adubadora, Sementes Pira√≠. Informa√ß√Ķes sobre a t√©cnica, adubos verdes, mercados e culturas atendidas s√£o apenas alguns dos conte√ļdos que ir√£o nortear o produtor a iniciar sua tarefa verde. Acesse hoje mesmo!