Posts Tagged ‘Alimentos Orgânicos’

Biblioteca para a produção agroecológica

quarta-feira, outubro 18th, 2017
normal_Defensivos_alternativos

Crédito da Imagem: Divulgação/Emater.

Investir em conhecimento é o principal insumo para melhorar a atividade agrícola no país. Pensando nisso, a Emater lançou no início de setembro o livro “Defensivos alternativos: recomendações práticas para a transição agroecológica”. A publicação conta com autores diversificados. Entre eles, João de Ribeiro Reis Júnior, engenheiro agrônomo.

Seu cerne concentra os produtores que trabalham com a forma de cultivo orgânica e aqueles que desejam sair do padrão convencional produtivo, migrando-o pela transição agroecológica. Segundo Júnior, o livro concentra receitas testadas em variadas propriedades do estado ao longo dos últimos anos, mostrando além do que sugere o título da publicação, a importância do cuidado com a saúde do solo. Nesse sentido, práticas como a adubação verde, homeopatia e o uso de biofertilizantes são ressaltados. (mais…)

Conhecimento que cuida do futuro: Projeto Pezinho na Terra em Alta Floresta/MT

sexta-feira, maio 5th, 2017
Imagem: Watson

Imagem: Watson Costa Santos.

Iniciativa conta com a ajuda da adubação verde para o desenvolvimento de hortas escolares

Watson Costa Santos é mais um exemplo de adubador do futuro! Exemplo esse que juntou sua iniciativa com a proposta da nossa adubadora, Sementes Piraí, em garantir que o conhecimento sustentável agrícola terá continuidade pelas próximas gerações.

Ele é o coordenador do Pezinho na Terra, desenvolvido na cidade matogrossense de Alta Floresta. As escolas Vicente Francisco e Ludovico da Riva Neto, respectivamente municipal e estadual, são as incubadoras do projeto, que visa apresentar o cultivo sustentável das hortas para as crianças, levando a prática da terra para a sala de aula e claro, promovendo o repasse de conhecimento às famílias de cada aluno participante. (mais…)

Agricultura familiar de Angra dos Reis/RJ firma parceria com o Sebrae!

quinta-feira, janeiro 14th, 2016
A reunião entre Secretaria Municipal responsável, Sebrae, representantes do Pais e dos produtores rurais, em novembro passado, marcou o início do projeto do município - Imagem: Prefeitura de Angra dos Reis.

A reunião entre Subsecretaria da Agricultura, Sebrae, representantes do Pais e dos produtores rurais, em novembro passado, marcou o início do projeto Pais do município – Imagem: Prefeitura de Angra dos Reis.

Novembro passado marcou a parceria da agricultura familiar de Angra dos Reis/RJ, por meio da Subsecretaria de Agricultura – da Secretaria de Atividades Econômicas, com o Sebrae para a instituição do Projeto de Produção Agroecologia Integrada e Sustentável (Pais). O objetivo geral é propiciar aos pequenos produtores o formato agroecológico de produção.

O Pais é visto como uma alternativa de renda para a agricultura familiar, pois qualifica melhor a produção, visando a sustentabilidade e a variedade produtiva. São cultivadas frutas, hortaliças, cereais, plantas medicinais e fitoterápicas, tanto para consumo próprio, quanto para a comercialização devidamente certificada dos alimentos na categoria orgânica.

Para o início do convênio quinze pequenos produtores foram selecionados, após visitas de técnicos rurais e agentes do Sebrae. A capacitação e a instalação das unidades produtivas devem ocorrer até fevereiro próximo. O produtor não arca com nenhum custo do projeto, apenas tem o compromisso de se comprometer integralmente, desde a capacitação até a manutenção da produção.

A parceria com o Sebrae para a implementação do projeto é de fundamental importância para que a agricultura familiar do município fortaleça a economia, fomente a diversidade de produtos agrícolas, amplie políticas públicas para o setor e viabilize o turismo rural na região. O Pais já é um projeto conhecido dos cariocas. Atualmente, está presente em trinta municípios. Já possibilitou a certificação orgânica de 208 produtores e assiste, ao todo, cerca de 540 produções.

Fonte: Angra News.

Agroecologia: produção de qualidade da agricultura familiar

O modelo agroecológico visa a adoção de técnicas sustentáveis de produção, permitindo a produção 100% orgânica. A adubação verde, por sua vez, é uma possibilidade para o desenvolvimento de uma produção nesses moldes.

Trata-se de uma técnica que usa adubos verdes, plantas em sua maioria leguminosas, para reavivar a capacidade produtiva do solo, reciclando seus nutrientes, permitindo a fixação biológica de nitrogênio e reduzindo naturalmente a infestação de ervas-daninhas.

Esses são apenas alguns dos benefícios da técnica. Para conhecer mais sobre a adubação verde e entender como ela age em cada cultura, acesse o site da Sementes Piraí. Visite os conteúdos sobre a técnica e sobre os mercados e culturas atendidos. Informação de fácil acesso para viabilizar a sustentabilidade da sua produção, de forma econômica e rentável.

 

Manejo alternativo no cultivo de hortaliças!

quarta-feira, dezembro 9th, 2015
O manejo orgânico na produção de hortaliças foi o tema da palestra de André Strassburguer - Imagem: Divulgação/Revista SindiRural.

O manejo orgânico na produção de hortaliças foi o tema da palestra de André Strassburger – Imagem: Divulgação/Revista SindiRural.

O Instituto Federal do Rio Grande do Sul recebeu em outubro a Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro) Serra do Nordeste, de Caxias do Sul, para a realização da palestra sobre “Produção orgânica de hortaliças”, ministrada pelo pesquisador da instituição André Strassburger. A palestra constava no cronograma da Semana de Integração Tecnológica da Agropecuária (I Sitec Agro).

Com público de aproximadamente 100 pessoas, entre agricultores, técnicos e estudantes, a palestra tinha por objetivo apresentar o manejo alternativo nos cultivares de hortaliças, observando a produção orgânica. Strassburger pontuou que o cultivo orgânico vem crescendo nos últimos anos, muito por conta da maior demanda consumidora. Porém, sua prática demanda a desconstrução de ótica da antiga agricultura.

Em primeiro lugar, segundo André, é preciso restabelecer a vida do solo e a partir daí, adotar práticas conservacionistas, que permitem maior equilíbrio do agroecossistema. Assim, as hortaliças serão, naturalmente, mais resistentes aos ataques de insetos e doenças. Tais práticas promovem menor impacto ambiental, o que torna a produção sustentável.

Dentre as técnicas ressaltadas na palestra, estavam o plantio direto, a adoção da cobertura morta, o estímulo ao controle biológico e a adubação verde. Todas as citadas aqui tem impacto positivo ao meio ambiente, colaborando para sua saúde, bem como para a saúde produtiva das hortaliças, 100% naturais.

A palestra de Strassburger foi de fundamental importância para reafirmar que é possível produzir com qualidade e rentabilidade em harmonia com o meio ambiente. A mudança da consciência agrícola é o primeiro passo para que as culturas orgânicas ganhem vida nas propriedades rurais. Isso contribui e muito para #adubarofuturo!

Fonte: Fepagro/RS.

Hortaliças e adubação verde: parceria de sucesso.

Olericultor/horticultor, que tal potencializar a capacidade produtiva da sua horta através da adubação verde?

Como o pesquisador da Fepagro pontuou, o primeiro passo é cuidar da saúde do solo e é esse um dos benefícios que a adubação verde oferece. A técnica, 100% sustentável, permite reavivar a saúde da terra com o uso dos adubos verdes, plantas em sua maioria leguminosas.

Para saber mais sobre os benefícios da adubação verde na olericultura e horticultura, acesse o site da Sementes Piraí. Lá, você encontrará todas as indicações específicas para conferir mais rentabilidade e produtividade na sua horta, em um canal específico sobre adubação verde para hortaliças.

Diga sim aos benefícios da adubação verde e entre para o time de quem está produzindo mais, cuidando do futuro do solo!

 

Curso de agricultura orgânica gratuito no RS!

segunda-feira, agosto 31st, 2015
Agricultura orgânica é tema de capacitação gratuita para produres de Venâncio Aires - Imagem: Google.

Agricultura orgânica é tema de capacitação gratuita para produtores de Venâncio Aires – Imagem: Google.

A cidade gaúcha de Venâncio Aires vai receber a partir de 14 de setembro o curso gratuito de capacitação em agricultura orgânica. A ação que é desenvolvida pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), acontecerá no período noturno no campus do IF-Sul de Venâncio Aires.

Ao todo, 30 vagas estão disponíveis para homens e mulheres, maiores de 16 anos de idade e com ensino fundamental incompleto. As inscrições podem ser efetuadas na Secretaria da Habitação e Desenvolvimento Social, na Agência FGTAS-Sine e na Sala do Empreendedor.

No caso de dúvidas, basta procurar um dos locais de inscrição ou ligar: (51) 3938-1030, (51) 3983-1107 e (51) 3983-1164.

A oportunidade é mais uma ação que promove a benfeitoria e o aperfeiçoamento no campo. Isso é insumo de fundamental importância para #adubarofuturo da produção orgânica na região.

Fonte: Folha do Mate.

Aperfeiçoar é preciso, dentro e fora de campo

Adquirir conhecimento é uma das maiores riquezas que construímos ao longo do tempo. Melhor ainda, é quando temos a possibilidade de expandir esse conhecimento em benefícios de nossas lavouras. Você sabia que a adubação verde é uma técnica milenar que aprimora as culturas há mais de três mil anos? – Pois bem, a técnica atua de forma sustentável e colabora com todos os tipos de culturas.

Nossa adubadora, Sementes Piraí, já conhecida pela qualidade de suas sementes e presença de mercado, possui um canal pensando totalmente às pequenas e médias culturas, como se apresentam a maioria das produções de orgânicos no país, a Eco Seeds: a maior loja online de sementes para adubação verde do Brasil. No site, os pequenos e médios produtores contam com toda estrutura de informação, além da possibilidade de compra em poucos cliques. Não perca mais tempo e comece hoje a mesmo a cuidar do futuro da sua produção com a adubação verde!

Sim à produção orgânica!

quinta-feira, agosto 20th, 2015

Sustentabilidade e produção em harmonia é a síntese do nosso blog e no texto de hoje vamos mostrar a importância da agricultura orgânica nesse contexto de respeito ao meio ambiente

Horta agroecológica orgânica - Imagem: Blog Mundo da Horta.

Horta agroecológica orgânica – Imagem: Blog Mundo da Horta.

A agricultura orgânica é um processo de produção comprometido com a alimentação saudável e que leva em conta todos os tipos de fatores naturais para sua implementação: desde o solo ao bioma em que a cultura será inserida, prezando pela harmonia entre a natureza e as pessoas.

Não possuem a adição de agrotóxicos, o que influi diretamente para a manutenção hídrica de qualidade. Além disso, a prática orgânica benefecia o solo, pois suas tecnologias evitam erosões, degradações e a queda da fertilidade. Contribui para a ampliação dos ecossistemas locais, ajuda na redução do aquecimento global e viabiliza sustentavelmente a agricultura familiar.

Seus alimentos são conhecidos pela saúde, sabor e maior durabilidade, mas ainda encontram-se com preços mais elevados nos mercados consumidores, quando comparados aos produtos da “agricultura convencional”.

As tecnologias que envolvem a produção orgânica implicam em:

  • Adubação verde: uso de leguminosas fixadoras de nitrogênio (que potencializa as condições biológicas, físicas e químicas do solo)
  • Adubação orgânica: que pela compostagem da matéria orgânica elimina fungos e bactérias (a ressalva aqui é que esse tipo de adubação deve ser local)
  • Minhocultura: garante a fertilidade em vários graus devido ao húmus produzido
  • Manejo da vegetação nativa: palhada, rotação de culturas e cultivos protegidos para controle de fatores naturais, como umidade e luminosidade
  • Uso racional da água: respeitando as condições naturais do ambiente ou por meio da irrigação via gotejamento

Os orgânicos no Brasil

A produção orgânica em sistemas agroecológicos vem ganhando força em propriedades de agricultura familiar no país todo e muitas ações estão ocorrendo para facilitar o acesso à compra e venda dessa produção. As feiras agroecológicas é uma dessas boas ações, onde produtores certificados vendem seus alimentos com mercado competitivo igualitário.

Para obter a tal certificação, a propriedade precisa cumprir uma série de requisitos como seguir a legislação ambiental, incluindo, por exemplo, ter a Reserva Legal e proteger as Áreas de Proteção Ambiental (APPs). Apesar de ser este um fator que encarece o produto para o consumidor final, é um item indispensável que assegura a produção em harmonia com o meio ambiente, sem contar que o certificado é uma espécie de “passaporte” para que a produção seja inserida nas políticias públicas de distribuição alimentar, como o PAA – Programa de Aquisição de Alimentos, que por meio das chamadas públicas adquirem a produção familiar e a empregam em instituições públicas, como escolas e hospitais.

O papel da adubação verde na cultura orgânica

Imagem: Sementes Piraí.

Imagem: Sementes Piraí.

A adubação verde, que é uma técnica agrícola milenar está totalmente integrada a produção orgânica. A principal diferença da adubação verde da agricultura convencional e orgânica é o uso de diversas espécies misturadas, chamada de mix, coquetel e composto, que dessa forma aumenta a biodiversidade e os efeitos positivos da adubação verde pelas diferenças de cada espécie.

A escolha das espécies para áreas em rotação ou implantação recai sobre os adubos verdes que produzem mais biomassa independente da altura e do hábito de crescimento. Entre as sementes mais utilizadas estão a Crotalária-juncea e o Guandu-anão.

Para saber mais sobre os benefícios da adubação verde na produção de orgânicos, convidamos você a conhecer todo o conteúdo voltado para o setor no site da nossa adubadora, Sementes Piraí. Basta clicar aqui para começar a #adubarofuturo da sua cultura orgânica.

 

 

Paraná ascende na produção de orgânicos!

sexta-feira, julho 31st, 2015
O Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos tem beneficiado a inclusão de mais de 200 propriedades na rota orgânica só nos últimos três anos - Imagem: Tecpar.

O Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos (PPCO) tem beneficiado mais de 200 propriedades só nos últimos três anos – Imagem: Tecpar.

O crescimento da atividade no Estado é tão latente, que o Paraná ocupa a segunda posição na produção de orgânicos, ficando atrás apenas do Rio Grande do Sul. São quase 1500 propriedades certificadas e mais de 200, só nos últimos três anos. Outras 100 novas propriedades estão aguardando a chancela do certificado, que deve ocorrer em agosto.

O aumento de propriedades com a certificação de produção se deve em especial, ao Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos (PPCO), o único programa público no Brasil que orienta e capacita os produtores, audita e certifica a produção orgânica. A ação do PPCO engloba a Secretaria Estadual da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, por meio das universidades estaduais; o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), vinculado à Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, e o órgão certificador, o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

A capacitação dos produtores que optam em transformar sua produção convencional em orgânica, é feita por técnicos e estudantes das sete univerdades do estado, que proporcionam assistência e acompanhamento, visando a normatização de quesitos como a implantação de técnicas agroecológicas e o uso consciente do solo e da água.

O PPCO é voltado à agricultura familiar e busca formar produtores conscientes ambientalmente. A certificação possibilita o estudo e garante a prosperidade econômica da propriedade, já que a produção é valorizada e inserida nos programas públicos, como o PAA – Programa de Aquisição de Alimentos. A ação tem contribuído para #adubarofuturo dos agricultores paranaenses!

Fonte: Bem Paraná.

Agricultura familiar é responsável pela produção de orgânicos no DF!

quarta-feira, julho 29th, 2015
O mercado de orgânicos cresceu 20% no DF e é alimentado em sua maioria pelas produção familiares - Imagem: Divulgação/CorreioBraziliense.

O mercado de orgânicos cresceu 20% no DF e é alimentado, em sua maioria, pelas produções familiares – Imagem: Divulgação/Correio Braziliense.

A agricultura orgânica no DF movimenta cerca 30 milhões de reais anualmente e vem em sua maioria, das produções agrícolas familiares. Ao todo são 110 produtores cadastrados no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), mas para menos da metade o selo de certificação, que permite vender seus produtos em sites e mercados, é uma realidade. A maior parte da comercialização dos produtos é feita nas feiras.

São 24 feiras ao todo, que comercializam os orgânicos produzidos. Esse dado faz parte do Mercado de Produtos Orgânicos — Mecanismos de Controle, estudo da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) divulgado em meados deste mês. O estudo ainda lista outros 90 estabelecimentos que vendem orgânicos, mas apenas de produtores com a certificação apresentada. O consumo desses alimentos atinge cerca de 40 mil pessoas com frequência, segundo a estimativa da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF).

Hoje o estado apresenta 775 hectares de áreas cultivadas com orgânicos, incluindo as pastagens. Isso se relaciona diretamente com os 20% de crescimento anual do setor na região.

Mas, ainda há desafios para que a produção orgânica familiar alcance números maiores nas estatísticas e estudos. Um deles está na emissão dos certificados. Para conseguir o certificado existem três formas: a certificação por auditoria, a certificação pelos sistemas participativos de garantia e o controle social para venda direta sem certificação. O outro desafio está depois da certificação: o cumprimento das exigências para a comercialização dos orgânicos além do ambiente das feiras. A realidade atual do estado para a distribuição em outros pontos de venda mostra quantos entraves ainda precisam ser derrubados. Dos 46 produtores aptos a comercializar nesses locais, apenas cinco o fazem com regularidade.

Tais desafios não impedem o crescimento do setor, mas se equacionados vão permitir a inflação positiva para a produção orgânica familiar: melhor distribuição da produção, variedade no sistema produtivo e o mais importante, o aumento na renda do produtor.

Para ter acesso ao estudo da Codeplan, acesse aqui

Fonte: Eco Brasília.

 

 

 

 

Produção orgânica renova as esperanças no Espírito Santo!

quinta-feira, julho 2nd, 2015
A família de Helga Tesch (a direita) recebe visitantes, em sua maioria jovens, que conhecem o modo de produção orgânica, em Santa Maria de Jetibá/ES - Imagem: Rede Jovem Rural.

A família de Helga Tesch (a direita) recebe visitas em sua propriedade, em sua maioria de jovens, que conhecem o modo de produção orgânica. A produção fica em Santa Maria de Jetibá/ES – Imagem: Rede Jovem Rural.

A produção de alimentos orgânicos além da parceria por um meio ambiente melhor e da boa aceitação do mercado consumidor, vem galgando outras conquistas, como a diminuição do êxodo rural entre os jovens. Esse cenário é visto com bons olhos, renovando as esperanças dos produtores de Santa Maria de Jetibá/ES.

No dia 31 de maio, a Associação Santamariense em Defesa da Vida (APSAD-Vida) promoveu uma assembleia que discutiu a construção de uma nova sede, ampliando a ação da entidade, bem como a deixando mais próxima de outro centro comercial, Garrafão. A expansão de filiados também foi outra pauta da assembleia, que atualmente conta com 22 filiados.

Um dos membros da Associação diz que a situação hoje, só está tão benéfica porque muitos produtores acreditaram e fizeram da possibilidade, uma realidade: a produção de alimentos sem nenhum agrotóxico. Dos anos 2000 para cá, a crescente busca por orgânicos é real e a demanda por tais produtos compete igualmente com outros tipos de produção. O escoamento é feito direto para o consumidor, diminuindo assim, o preço dos alimentos.

Hoje no Estado, os produtores orgânicos somam 320 famílias e cerca de outros 300 produtores pretendem se juntar a esse time, buscando a certificação orgânica. Além disso, existem as produções vinculadas ao Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), que atua com as bases da produção agroecológica.

Todos esses fatores impulsionaram os jovens camponeses de volta para suas raízes. Depois de passar um período fora estudando, eles voltam às produções com insumos que valorizam as culturas. Ou até mesmo aqueles que não saíram, não o pretendem fazer, pois enxergam viabilidade em prosperar com a produção de alimentos orgânicos ou a agroecologia. Isso é #adubarofuturo da cadeia produtiva!

Maiores informações em: http://ow.ly/P5579

Fonte: Século Diário.

Produção orgânica: qualidade de vida e proteção ao meio ambiente!

quarta-feira, junho 24th, 2015
Exemplo de produção agroecológica de hortaliças - Imagem: Assessoria de Comunicação Social MDA/Portal do Agronegócio.

Exemplo de produção agroecológica de hortaliças – Imagem: Assessoria de Comunicação Social MDA/Portal do Agronegócio.

Os alimentos orgânicos ganharam outras funções além de serem vistos como opção saudável de alimentação. Hoje, são oportunidades de renda certa à agricultura familiar, promovendo maior qualidade de vida para as famílias e comunidades produtoras, bem como conciliando preservação ambiental ao modo de produção.

Porém, ainda que com tantos benefícios tangíveis, o número de produções agroecológicas familiares não possui números expressivos no País e pensando nisso, a última semana de maio foi dedicada aos Orgânicos pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), objetivando conscientizar e atrair mais produtores para o sistema agroecológico.

Para quem ficou interessado em fazer a transição para o time dos Orgânicos, é preciso primeiramente procurar acompanhamento técnico, que vai avaliar a situação do solo para ajustar todos os itens necessários à produção agroecológica, bem como planejar o que vai ser cultivado, instruindo o uso de insumos orgânicos, das sementes ideais para plantio, entre outros fatores. Com o tempo, o próprio produtor estará apto a realizar essas funções.

Além disso, é necessário que o produtor busque acesso ao Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), viabilizando créditos de investimento para as técnicas agroecológicas de produção. Feito isso, a produção pode se inserir em vários programas que ampliem a comercialização dos produtos, como o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) e o Pnae (Programa Nacional de Alimentação Escolar). É possível ainda, se inscrever no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos e obter o selo de certificação de produção. Esse reconhecimento se faz necessário para a expansão da comercialização dos produtos em feiras ou exposições agroecológicas/orgânicas.

Desde 2012, o Governo Federal vem trabalhando para facilitar a transição da produção comum para a orgânica. Por meio do Pnapo (Política Nacional de Agroecologia), os agricultores tem acesso facilitado aos programas e ações, contribuindo dessa forma para a produção de alimentos saudáveis e com o desenvolvimento rural sustentável, além de se beneficiarem com melhor qualidade de vida e renda garantida de vários cultivares.

Isso é #adubarofuturo! 

Maiores informações em: http://ow.ly/OJjKU

Fonte: Vermelho.

 

 

 

 

Agroflorestas beneficiam a produção de Orgânicos!

terça-feira, junho 23rd, 2015
Propriedade de produção agroflorestal orgânica de Silvia Pinheiro, região da Brazilândia/DF - Imagem: Antônio Cruz/Agência Brasil.

Propriedade de produção agroflorestal orgânica de Silvia Pinheiro, região da Brazlândia/DF – Imagem: Antônio Cruz/Agência Brasil.

A técnica vem sendo amplamente utilizada pelos produtores rurais e seus resultados aparecerão a longo prazo. Segundo Rafael Lima de Medeiros, Engenheiro Agrônomo da Emater-DF, o sistema é mais equilibrado, biologicamente falando, e mais vantajoso para o produtor, que sempre irá lucrar com alguma de suas vertentes: hortaliças, frutas, madeira ou pecuária.

Para produzir alimentos orgânicos não é permitido o uso de fertilizantes sintéticos, agrotóxicos e transgênicos nas culturas, além disso deve-se seguir os princípios agroecológicos, com o uso sustentável dos recursos naturais, como prega o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Um dos exemplos que Medeiros cita é a produtora rural Silvia Pinheiro dos Santos, na região de Brazlândia, que aplicou o sistema em seus 21 hectares e hoje já colhe os frutos dessa opção e prevê um futuro tranquilo retirando seu sustento alinhado ao meio ambiente. Em sua propriedade ela utiliza a hortelã para espantar os insetos e o Feijão-guandu para adubar o solo, fixando nitrogênio.

Para ela, o sistema é uma evolução orgânica, já que a produção permite o cultivo de vários alimentos, induzindo a natureza a sua própria maneira de produção e claro, isso implica no preço mais acessível do que nos produtos orgânicos únicos – sistema “tradicional” de plantio.

O engenheiro agrônomo do Emater-DF ainda ressalta que o mercado no Estado é pequeno, mas com projeções seguras de expansão. Das cinco mil propriedades rurais do estado, 150 já se adequaram a produção orgânica agroflorestal e conseguem escoar boa parte da sua produção dentro da própria região, por meio das feiras orgânicas. Para ele, isso estimula que outros produtores passem a produzir da mesma forma.

Isso com certeza, #adubaofuturo da produção e da consciência pela preservação e respeito ao meio ambiente, aliado a alimentação de qualidade!

Maiores informações em: http://ow.ly/OG1D0

Fonte: Agência Brasil – EBC.

 

Produção orgânica: agricultura e meio ambiente em harmonia!

segunda-feira, junho 1st, 2015
A produção orgânica aduba o futuro sustentável de toda a cadeia produtiva: da terra à mesa - Imagem: Rômulo Serpa - MDA.

A produção orgânica aduba o futuro sustentável de toda a cadeia produtiva: da terra à mesa – Imagem: Rômulo Serpa – MDA.

Ação real, tátil, rentável e muito sustentável: eis algumas definições que ajudariam a enaltecer ainda mais a produção orgânica. Hoje, ela é uma realidade para muitos assentados da reforma agrária e agricultores familiares.

Ao fazer essa opção, os produtores possibilitaram à cadeia produtiva um crescimento  sustentável e à mesa dos brasileiros, uma alimentação saudável. As práticas da produção orgânica visam a produção em harmonia com o meio ambiente, com o manejo sustentável dos recursos naturais.

Um ótimo exemplo desse cenário vem da Associação dos Trabalhadores Rurais na Agricultura Familiar do Pré-Assentamento Chapadinha (Astraf), em Sobradinho. A conscientização pela produção orgânica tem um motivo muito especial: a proximidade com o Parque Nacional de Brasília. Hoje, a Astraf já conta com 90% de sua produção como orgânica e tem mais da metade das famílias assistidas, como produtores orgânicos devidamente certificados.

A comercialização desses produtos que antes era uma das barreiras à produção, atualmente conta com a ajuda do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do Governo Federal, e também do  Programa de Aquisição da Produção da Agricultura (Papa-DF), que amplia e estimula economicamente a manuntenção da atividade, bem como a conscientização sobre a importância do processo.

A produção orgânica é um caminho para a sustentabilidade da agricultura familiar, proporcionando diretamente o aumento da renda familiar. Você sabia que a adubação verde é parte integrante dessa técnica de produção orgânica? – Se a resposta for não, consuma agora todas as informações que você precisa para começar a incorporar essa técnica na sua produção ou levá-la até a sua comunidade: conheça os benefícios da adubação verde!

Isso é #adubarofuturo!

Maiores informações: http://ow.ly/NHNRq

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Fazendas flutuantes são alternativa para produção orgânica!

quinta-feira, maio 28th, 2015
Vista externa do projeto da Fazenda Flutuante - Imagem: Divulgação.

Vista externa do projeto da Fazenda Flutuante – Imagem: Divulgação.

Não, não estamos assistindo a um filme futurista que diz que o mundo acabou em “x” data e os sobreviventes conseguiram se readequar habitando em alto mar. Estamos com a realidade bem debaixo do pés e com a proposta do escritório Forward Thinking Architecture, das tais fazendas flutantes.

Mas o que seriam essas construções? – Seriam estruturas sustentáveis levantadas em alto mar ou em regiões alagadas próximas ao centro urbano, que possibilitaria o cultivo hidropônico e a aquicultura.

Vista do segundo módulo, que abrigaria a estufa hidropônica - Imagem: Divulgação.

Vista do módulo intermediário, que abrigaria a estufa hidropônica – Imagem: Divulgação.

A ideia surgiu para manter a produção viva, mesmo com a falta de espaço nas regiões metropolitanas. A estrutura, que ganhou a apelido de SFF, teria em média 209 mil m² divididos em três módulos. O mais próximo à agua, permitiria a aquicultura, concentraria a usina de dessalinização e a central de embalagens. O módulo intermediário onde a estufa hidropônica e o sistema de irrigação se localizaram e o terceiro módulo, já na superfície para a usina fotovoltaica, que transformaria todo o potencial absorvido em energia elétrica.

Além disso, as fazendas flutuantes contam com outras alternativas sustentáveis para a sua manuntenção, entre elas, o uso de energia eólica e o reaproveitamento de resíduos orgânicos para a fabricação da biomassa.

Considerando que a ONU (Organização das Nações Unidas) já prevê que a população mundial chegará a mais de 8 bilhões de pessoas em 2030, a alternativa proposta pelo escritório de arquitetura possibilitaria a produção de quase 10 toneladas a mais de alimentos, entre vegetais e peixes, contribuindo siginificativamente para duas demandas: a maior produção de alimentos e a concessão de espaços produtivos. Isso, sem sombra de dúvidas, pode #adubarofuturo!

Maiores informações em: http://ow.ly/Nxtcb

Fonte: Ciclo Vivo.

Native participa do Prêmio Nacional da Biodiversidade!

sexta-feira, maio 22nd, 2015
A Native está concorrendo na Categoria "Empresas" com o seu projeto que dentre outras ações, inclui a adubação verde na rotação de culturas para mais do que quintuplicar a ocorrência da biodiversidade em seus canaviais - Imagem: Bing.

A Native está concorrendo na Categoria “Empresas” com o seu projeto que dentre outras ações, inclui a adubação verde em rotação de culturas, contribuindo para mais do que quintuplicar a ocorrência da biodiversidade em seus canaviais – Imagem: Bing.

O Prêmio Nacional da Biodiversidade é uma iniciativa do Ministério do Meio Ambiente, visando promover  a melhoria e/ou a manutenção da conservação das espécies da biodiversidade do nosso país. A Premiação, em sua primeira edição, já conta com boa repercussão tanto de mídia, quanto de projetos inscritos.

Um deles é da Native, referência no mercado de Orgânicos, que para participar da Premiação inscreveu seu projeto entitulado  “Efeitos da adoção de técnicas agroecológicas sobre a biodiversidade faunística em cana-de-açúcar” e foi aprovado para concorrer na categoria “Empresas”. O voto popular para sagrar esse projeto campeão já teve sua validade expirada (último dia 19), porém a menção de tal iniciativa é extremamente válida.

O projeto da Native que inclui entre outras ações, a adubação verde em rotação de cultura, conseguiu índices expressivos de aumento na biodiversidade, chegando a marca de expansão de 23 vezes, o que significa que a empresa conseguiu mais do que quintuplicar a ocorrência da biodiversidade em seus canaviais, em comparação com os canaviais das redondezas.

Isso demonstra a importância da utilização da adubação verde na contribuição de culturas e produções mais sustentáveis, que não só respeitam o meio ambiente como favorecem sua multiplicação nos seus mais variados vieses. Fica registrada aqui nossa torcida pelo Projeto da Native.

E se você que nos lê também quer resultados semelhantes ao da Native, além de maior rentabilidade da sua produção, pense verde e comece hoje a entender sobre o que o universo da adubação verde pode fazer pela sua cultura! Para isso, nossos adubadores da Piraí estão apostos e aptos para trabalhar em prol da sustentabilidade e isso claro, #adubaofuturo.

Maiores informações em: http://ow.ly/NgsDa

Fonte: Grupo Cultivar.

Produtores orgânicos em alta!

quinta-feira, abril 2nd, 2015
Plantação Orgânica - Imagem: Bing

Plantação Orgânica – Imagem: Bing

A cadeia de produção orgânica vem apresentando um cenário muito otimista nos últimos comparativos. O mais recente deles, apontou um aumento de quase 52% no número de produtores orgânicos entre janeiro de 2014 e janeiro deste ano.

Foi registrado também um aumento de 32% na quantidade de Unidades de Produção Orgânica (UPOs), durante o mesmo período, por todo o país. A região Nordeste é a que concentra o maior número de UPO’s, com pouco mais de 5.200 unidades.

A área em hectares destinadas a produção orgânica no Brasil já alcança praticamente 750 mil hectares, com destaque para as regiões Sudeste e Norte, com 333 mil e 158 mil hectares de UPO, respectivamente.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) faz questão de ressaltar a importância e a viabilidade das culturas orgânicas, sempre baseadas nos preceitos da Agroecologia e nos princípios da Justiça Social. Um dos eventos de maior fomento da área é a Semana dos Orgânicos, que visa basicamente, informar e conscientizar a população urbana sobre o trabalho e as diretrizes dessa cadeia produtiva.

Produzir alimentos orgânicos é #adubarofuturo da alimentação, da saúde e dos ecossistemas!

Maiores informações em: http://ow.ly/L7wZJ

Fonte: Monitor Digital.