5out/172

Sinal amarelo: presença de nematoides no algodoeiro causam perdas de até 40%

Inserido em Adubação Verde, Adubar o Futuro, Agricultura, agronegócio, Algodão, Crotalária, Nematoides, Pesquisa, Piraí Sementes, Sustentabilidade por Admin em 05 de outubro de 20172 Comments »

nematoide_algodao_sementespirai

Os nematoides são uma das pragas mais temidas pela agricultura. Normalmente, seus prejuízos correspondem a metade da safra comercial, quando não a inviabilizam totalmente. Esses seres microscópicos se alojam no solo ou nas raízes das plantas, alimentando-se de seus nutrientes, prejudicando o desenvolvimento saudável da cultura comercial.

Se considerarmos o algodoeiro, as perdas causadas por essa praga são “um tanto menores”, correspondendo até 40%. A espécie Meloidogyne incognita, popularmente chamada de nematoide das galhas, e o Pratylenchus brachyurus, nematoide das lesões radiculares, são os mais encontrados na cultura, causando respectivamente o maior dano e “um prejuízo intermediário”. Nessa lista também está o Rotylenchus reniforme, o nematoide reniforme.

Para o produtor perceber a existência de nematoides na cultura do algodão deve ficar atento aos sintomas, que variam segundo a espécie de nematoide presente. Se a infestação for do nematoide das galhas as raízes superengrossam, de forma anormal,  além de ser perceptível os sintomas verificados em reboleiras (que são confundidos com deficiências minerais e físicas do solo).

No caso da infestação pelo nematoide das lesões radiculares as raízes ficam escurecidas, devido ao parasitismo da praga. Essa espécie também é capaz de degenerar a parede celular, por conta da liberação de toxinas, favorecendo a entrada de outras patogenias. Visivelmente, na parte áerea, observa-se a redução no porte, confundindo o produtor com uma possível deficiência nutricional e/ou mineral.

Já o nematoide reniforme indica sua presença pelo aspecto sujo das raízes, que mesmo lavadas continuam bem aderentes ao solo. Outro sintoma é a redução do sistema radicular. Além disso, as plantas ficam menores e em reboleiras maiores do que percebidas na presença de outras espécies de nematoides. As folhas também são afetadas por altas infestações de carijó.

A disseminação dessa praga acontece de forma mais facilitada em algumas situações: temperatura regional, umidade do ar, tipo de solo cultivado, forma de manejo e o fator hospedeiro, vinculado a proliferação da praga. No ano passado, o IMA (Instituto Matogrossense do Algodão) realizou pesquisas avaliando a relação da produtividade com a densidade populacional dessas pragas. Os resultados apontaram redução de produtividade na presença das espécies M. incognita e R. reniformis, “livrando” dessa correlação a espécie P. brachyurus.

Fonte: Grupo Cultivar.

Nematoides no algodão? Atenção para a solução!

Se você, produtor algodoeiro, já sentiu a presença de nematoides na cultura e já começa a calcular o tamanho do prejuízo que essas pragas deixarão na sua conta, temos uma ótima notícia: já pensou em controlá-las utilizando a adubação verde?

Pois bem, o engenheiro agrônomo da nossa adubadora Sementes Piraí, Donizeti Carlos, indica as espécies crotalária-spectabilis e crotalária-breviflora para um controle eficiente, seja a infestação mista ou de uma das espécies. O controle com a adubação verde devolve a saúde ao solo de forma natural, minimizando ou até dispensando o uso de outros métodos de controle.

Você também pode levar os benefícios da adubação verde como forma de elevar a produtividade, cuidando sustentavelmente do solo. Quer saber como? Clique aqui e conheça a página da Sementes Piraí dedicada à cultura do algodão.

 

 

 

 

 

 

Tags: , , , , , , , , , ,

2 Responses to “Sinal amarelo: presença de nematoides no algodoeiro causam perdas de até 40%”

  1. maquina de inicios curso disse:

    Estou acompanhando seu site a um bom tempo. Adoro seu site. Obrigado e te desejo muito sucesso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>