Archive for the ‘Hortaliças’ Category

Biblioteca para a produção agroecológica

quarta-feira, outubro 18th, 2017
normal_Defensivos_alternativos

Crédito da Imagem: Divulgação/Emater.

Investir em conhecimento é o principal insumo para melhorar a atividade agrícola no país. Pensando nisso, a Emater lançou no início de setembro o livro “Defensivos alternativos: recomendações práticas para a transição agroecológica”. A publicação conta com autores diversificados. Entre eles, João de Ribeiro Reis Júnior, engenheiro agrônomo.

Seu cerne concentra os produtores que trabalham com a forma de cultivo orgânica e aqueles que desejam sair do padrão convencional produtivo, migrando-o pela transição agroecológica. Segundo Júnior, o livro concentra receitas testadas em variadas propriedades do estado ao longo dos últimos anos, mostrando além do que sugere o título da publicação, a importância do cuidado com a saúde do solo. Nesse sentido, práticas como a adubação verde, homeopatia e o uso de biofertilizantes são ressaltados. (mais…)

Conhecimento que cuida do futuro: Projeto Pezinho na Terra em Alta Floresta/MT

sexta-feira, maio 5th, 2017
Imagem: Watson

Imagem: Watson Costa Santos.

Iniciativa conta com a ajuda da adubação verde para o desenvolvimento de hortas escolares

Watson Costa Santos é mais um exemplo de adubador do futuro! Exemplo esse que juntou sua iniciativa com a proposta da nossa adubadora, Sementes Piraí, em garantir que o conhecimento sustentável agrícola terá continuidade pelas próximas gerações.

Ele é o coordenador do Pezinho na Terra, desenvolvido na cidade matogrossense de Alta Floresta. As escolas Vicente Francisco e Ludovico da Riva Neto, respectivamente municipal e estadual, são as incubadoras do projeto, que visa apresentar o cultivo sustentável das hortas para as crianças, levando a prática da terra para a sala de aula e claro, promovendo o repasse de conhecimento às famílias de cada aluno participante. (mais…)

Adubação Verde x nematoides na cultura do quiabo

sexta-feira, abril 7th, 2017
Adubação Verde é opção eficiente de controle de nematoides de galha nos quiabeiros, aponta pesquisa paulista - Imagem: Divulgação.

Adubação Verde é opção eficiente de controle de nematoides de galha nos quiabeiros, aponta pesquisa paulista – Imagem: Divulgação.

Pesquisadores do IAC, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), Polo de Andradina, e da Coordenação de Assistência Técnica Integral (CATI), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de S.Paulo (SAA) tem estudado como controlar a incidência dos nematoides de galha na cultura do quiabo. E os resultados apontam o manejo com crotalária no pré-cultivo como opção eficaz e 100% parceira do meio ambiente.

No fim do ano passado os dados preliminares da pesquisa foram divulgados, mostrando que a adoção da técnica reduz em torno de 90% a incidência do nematoide no período de pré-plantio, impactando positivamente a cultura posterior da hortaliça. Todo o trabalho acontece no município de Gabriel Monteiro, 550 km distante da capital do estado. (mais…)

Alface “pra mais de metro”!

quinta-feira, novembro 24th, 2016
Seu Floriano mostra parte da sua produção de alface - Imagem: Divulgação.

Seu Floriano mostra parte da sua produção de alface – Imagem: Divulgação.

Seu Floriano é um produtor de alface que tem sua propriedade localizada em Claro dos Poções, norte de Minas Gerais. A cidade tem sua economia puxada basicamente pela agricultura familiar e esse é um dos relatos mais comuns em cidade pequenas por todo o país. Seria um relato comum se não fosse o fato da produtividade alcançada pelo produtor em seu cultivo de alface…

O produtor e sua esposa colhem em média 600 pés de alface por dia que abastecem tanto a Central de Abastecimento do Norte de Minas (Ceanorte), quanto supermercados da cidade e das redondezas. O trabalho é puxado: inicia-se as 06h da manhã e vai terminar tarde da noite. O trabalho com as hortaliças começou em fevereiro, quando seu Floriano foi buscar as primeiras mudas em Carandaí. Porém, a falta de instrução fadou o começo da empreitada em prejuízo. (mais…)

Como as leguminosas ajudam a aumentar a produtividade nos tomateiros?

terça-feira, novembro 8th, 2016

adubosverdes_tomatesPara obter essa resposta o Polo Regional de Piracicaba da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) foi pesquisar e os resultados mostraram que é possível incorporar 90kgs de nitrogênio por hectare na cultura de tomate cereja em consórcio com leguminosas.

Essa quantidade representa 30% do nitrogênio na cultura. Tal constatação reforça a importância no uso de leguminosas como adubo verde atuando como fator de redução no uso de fertilizantes químicos.

(mais…)

3ºSeminário de Agricultura Sustentável em SP!

segunda-feira, outubro 31st, 2016
Imagem: Divulgação.

Imagem: Divulgação.

Partilhamos hoje o convite para o 3ºSeminário de Agricultura Sustentável que acontece no próximo sábado, 05/11, na capital paulista! O evento é uma realização da Associação Miyagui Kenjinkai do Brasil e conta com o apoio da Nutrisafra Fertilizantes e Ophicina Orgânica!

No corpo de palestrantes estão:

  • Takanoli Tokunaga, engenheiro agrônomo, pesquisador científico da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI);
  • Antonio Ambrósio Amaro, engenheiro agrônomo, pesquisador científico VI do Instituto de Economia Agrícola (IEA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA);
  • Kunio Nagai, engenheiro agrônomo, consultor em Agricultura Sustentável.

A programação do evento consta abaixo: (mais…)

Tem defensor da adubação verde em Santa Catarina!

quinta-feira, outubro 20th, 2016

Conheça a história de Valdemar Lauro da Silva com a adubação verde na cultura da cebola

Seu Valdemar Lauro da Silva junto à Crotalária-ochroleuca no início da floração - Imagem: Arquivo Pessoal.

Seu Valdemar Lauro da Silva junto à Crotalária-ochroleuca no início da floração – Imagem: Arquivo Pessoal.

Hoje partilhamos mais um testemunho de um produtor que se deu bem utilizando a adubação verde. Seu Valdemar Lauro da Silva tem uma propriedade na comunidade de Barro Preto, situada no município do Alfredo Wagner em Santa Catarina.

Ele cultiva a cebola como cultura comercial principal e conheceu a adubação verde há 25 anos, por meio de uma vista de campo realizada pela Epagri. Na época, seu Valdemar ficou muito decepcionado com a ação dos técnicos, que focavam suas instruções nos implementos e não no solo. Foi então que ele questionou os técnicos e a adubação verde surgiu como opção de cuidado com a terra. A partir daí algumas espécies foram testadas: aveia e ervilhaça foram as primeiras, posteriormente vieram mucunã, feijão-de-porco, milheto, feijão-guandu, nabo-forrageiro, azevém e as crotálarias-juncea, spectabilis e ochroleuca. Em 2008, por fim, foi consolidado um ciclo que se mantém atualmente. (mais…)

Produção autossustentável no RS!

terça-feira, outubro 18th, 2016
Registro da ação - Imagem: Emater/RS-Ascar.

Registro da ação – Imagem: Emater/RS-Ascar.

Se alimentar melhor significa, em primeira ordem, produzir de forma mais sustentável. Partindo desse pressuposto no Encontro Municipal da Mulher de Cambará do Sul, os técnicos da Emater/RS-Ascar estiveram no final de julho na comunidade São Gonçalo, demonstrando técnicas de implantação e manutenção de hortas e pomares domésticos.

Cerca de 15 moradores estiveram observando de perto as explicações dos técnicos sobre a formação e a melhor condução de uma produção autossustentável de hortaliças e frutas. Mais uma vez, o cerne da capacitação enfocou a saúde alimentar.

(mais…)

Orgânicos em evidência no Alto Tietê!

sexta-feira, setembro 30th, 2016
A cebola orgânica é um dos destaque na produção de Victor Cezarini, em Suzano/SP - Imagem: Divulgação.

A cebola orgânica é um dos destaque na produção de Victor Cezarini, em Suzano/SP – Imagem: Divulgação.

Os municípios paulistas de Suzano e Mogi das Cruzes apostaram na produção orgânica e agora já começaram a colher os bons frutos dessa decisão. Mesmo com a crise os produtores constataram aumento no faturamento. A associação de agricultores de Mogi das Cruzes pontua que o movimento do setor é crescente e a demanda acompanha essa ação.

O trabalho da Associação de Produtores Orgânicos conta com dez associados que se planejam para produzir, programando o cultivo conforme a sazonalidade do produto. Como mercado comprador está a própria região, a capital, o litoral e os municípios do ABC.

A produção orgânica tem como base o cuidado com o solo, auxiliando e diminuindo o problema dos cultivares com o ataque de doenças e plantas daninhas, afirma Agnaldo Firmo Alves, um dos produtores associados. Em sua propriedade ele mantém canteiros com cebolinha e rúcula plantadas juntas, dificultando o aparecimento dessas pragas. (mais…)

Saiba qual crotalária escolher para rotação de culturas e adubação verde

quinta-feira, setembro 15th, 2016

____________________________________________________________________

Obs: O texto de hoje é uma reprodução integral do excerto de Naiara Araújo, da SF Agro. Agradecemos e creditamos a Naiara todo o conteúdo textual postado abaixo.

_____________________________________________________________________

Além de controlar a incidência de nematoides nas lavouras, o cultivo da espécie correta é vantajoso para o solo 

A Crotalária-juncea, por exemplo, é indicada para a cultura de cana-de-açúcar - Imagem: Sementes Piraí.

A Crotalária-juncea, por exemplo, é uma das Crotalárias indicadas para a cultura de cana-de-açúcar – Imagem: Sementes Piraí.

A rotação de culturas com crotalária é uma alternativa interessante para muitos produtores. Além de controlar a incidência de nematoides nas lavouras, essa prática traz muitos benefícios, como cuidado e proteção do solo, controle de ervas daninhas e recuperação de áreas degradadas. Segundo Donizeti Carlos, engenheiro agrônomo e diretor da Sementes Piraí, muitos agricultores ainda têm dúvidas sobre qual variedade de crotalária escolher para a rotação de culturas.

O cultivo de crotalárias é uma técnica de adubação verde e apresenta feitos positivos desde o primeiro plantio, mas a situação melhora ainda mais a longo prazo. “A eficiência no controle será maior se o produtor for repetindo anualmente o preparo do solo com crotalárias nas janelas da safra e fazendo essa rotação. Ele sempre terá ganhos”, diz Donizeti Carlos. O cultivo de crotalária pode ser feito antes da safra de verão, na segunda safra e em consórcio com algumas culturas, como milho, milheto e braquiária.

A adubação verde se popularizou nas últimas temporadas. Na safrinha deste ano, o engenheiro agrônomo acredita que cerca de 300 mil hectares de milho foram plantados em consórcio com crotalárias, principalmente no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia e Goiás. O plantio das espécies é simples. A orientação é que a semeadura da crotalária seja feito a lanço, em áreas já dessecadas para controle das ervas daninhas e tigueras da cultura anterior. Elas devem ser levemente incorporadas, de dois a três centímetros de profundidade, com correntão ou grade niveladora. Confira as dicas para escolher a crotalária mais adequada para a fazenda. (mais…)

Empaer e o Projeto Raízes em Mato Grosso!

terça-feira, agosto 23rd, 2016
O Projeto Raízes quer aumentar o número de produções agroecológicas/orgânicas no município de Cláudia - Imagem: Divulgação;

O Projeto Raízes quer aumentar o número de produções agroecológicas/orgânicas no município de Cláudia – Imagem: Divulgação.

O mês de julho marcou o início de um novo tempo em termos de conhecimento para os produtores do município de Cláudia, distante 620km da capital Cuiabá. No dia 28 a Empaer apresentou o Projeto Raízes, que tem como cerne a demonstração das Unidades de Referência Tecnológica (URT) com a inserção de tecnologia voltada às bases de produção agroecológica e ao cultivo orgânico. Na oportunidade, os produtores visitaram uma URT voltada a olericultura.

O Projeto Raízes planeja implantar quatro URTs no município, visando as principais vertentes produtivas: olericultura, fruticultura, mandiocultura e frango semi-caipira.  As URTs servirão de base e estímulo aos produtores para que eles conheçam as melhorias no cultivo agroecológico/orgânico, elevando assim a qualidade do produto ofertado e por consequência, seu valor.

Como exemplo da transição agroecológica o público visitou a propriedade da família Marinho da Silva, que cultiva folhosas, beterraba, quiabo, melancia, pepino, melão, entre outros produtos. A produção já recebe alguns cuidados agroecológicos como as técnicas de cuidados e manejo do solo, a inserção de plantas de cobertura e a adubação verde.

A Empaer espera atingir diretamente 62 propriedades destinadas ao cultivo horticultor e algumas destinadas ao cultivo de frutas, além de propriedades mistas como a visitada no dia do evento. O Projeto Raízes quer elevar o conhecimento e a capacitação de cada produtor para que no futuro, nem tão distante assim, eles possam caminhar com as próprias pernas só colhendo os benefícios da escolha orgânica/agroecológica.

Fonte: FolhaMax

Explorando a adubação verde

Como mencionado acima, a adubação verde fará parte do processo de transição agroecológica, contribuindo para o melhoramento natural das condições físicas, químicas e biológicas.

Para saber como a adubação verde atua nas culturas de hortaliças, frutas e orgânicos e implantar essa ação sustentável e econômica também na sua produção, basta acessar o site da nossa adubadora Sementes Piraí e navegar por todos os conteúdos informativos e atualizados sobre os benefícios da adubação verde.

Transforme sua produção com a adubação verde: o solo e o meio ambiente só terão a agradecer ;)

 

O cenário piracicabano da Agricultura Familiar!

segunda-feira, agosto 1st, 2016
A olericultura é uma das forças da agricultura familiar piracicabana - Imagem: Justino Lucente/Educativa FM.

A olericultura é uma das forças da agricultura familiar piracicabana – Imagem: Justino Lucente/Educativa FM.

A agricultura familiar está presente e em pleno desenvolvimento no país todo. A última estimativa do governo federal apontou que 75% dos alimentos consumidos no Brasil são oriundos de propriedades familiares. Isso não seria diferente na cidade de Piracicaba, distante 138km de São Paulo, capital. Por lá, a Coordenadoria de Assistência (CATI) – Casa do Agricultor de Piracicaba, que pertence à Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Sema), contabilizou 290 produtores agrícolas familiares. Destes, 45 atuam nos varejões do município.

Basicamente, a produção familiar piracicabana concentra-se nas olerícolas, frutas (as principais são banana, laranja e manga) e na produção de queijo. Todos estes produtos correspondem a 25% do volume comercializado nos 28 varejões, das áreas centrais e bairristas. O consumo de hortifrutigranjeiro na cidade gira em torno das mil toneladas mensais.

Waldemar Gimenez, secretário municipal da agricultura, reforça a importância da agricultura familiar para o município, destacando a comercialização direta de seus produtos, de boa qualidade e sempre frescos. Segundo ele, frente ao desenvolvimento do setor na cidade, compete ao Poder Executivo prover orientação e assistência técnicas aos produtores, que os auxiliam durante todo o ciclo produtivo: do plantio à comercialização, passando pelos processos de melhoria e manutenção da propriedade.

O panorama de Piracicaba, certamente, é muito semelhante em diversas cidades do país, que por meio do auxílio técnico conseguem expandir sua produção garantindo o suprimento da demanda local, fortalecendo a economia municipal e aumentando a renda dos agricultores familiares. Isso é um próspero caminho para continuar a #adubarofuturo do setor.

Fonte: A Província.

Agricultura familiar e sua melhoria produtiva

Produtor, quer saber como incrementar sua produção cuidando do futuro do solo?

Apresentamos a adubação verde e seus benefícios! Dentre eles, a recuperação, o recondicionamento e o melhoramento do solo, potencializando seus aspectos químicos, físicos e biológicos.

Com o uso da adubação verde sua produção ganhará com cuidados sustentáveis e econômicos, que são recompensados pela alta rentabilidade da sua cultura, seja ela olerícola, fruticultora ou pecuária.

Saiba mais sobre os benefícios da adubação verde acessando a EcoSeeds, loja online de sementes para adubação verde da Sementes Piraí. Informe-se e garanta seu próximo ciclo produtivo, adquirindo seus adubos verdes.

 

Nematoides em raízes e tubérculos, como lidar?

quarta-feira, julho 27th, 2016
Raiz de cenoura com infestação de nematoide - Imagem: Jadir Pinheiro.

Raiz de cenoura com infestação de nematoide – Imagem: Jadir Pinheiro.

Durante a  33ª edição do Congresso Brasileiro de Nematologia, que aconteceu de 12 a 17 de junho, em Petrolina/PE, o pesquisador Jadir Borges Pinheiro apresentou uma palestra sobre os desafios em relação ao controle de nematoides em raízes e tubérculos. Pinheiro apontou os tratos culturais sobre essas espécies de hortaliças nas diferentes regiões do país, apontando a variação tecnológica empregada, observando essa diversidade regional.

Como sabemos, as hortaliças tuberosas são aquelas em que as partes comestíveis desenvolvem-se dentro do solo e, por isso, são mais prejudicadas por nematoides, por exemplo: tubérculos como a batata e o cará, os rizomas como o inhame, os bulbos como cebola e alho e as raízes tuberosas, por exemplo, cenoura, beterraba e rabanete.

Os estudos apontam que 60 espécies de hortaliças já são hospedeiras de nematoides, mas as que mais sofrem com os seus ataques são as raízes e os tubérculos, correspondendo também ao maior nível de perdas. Um exemplo mencionado pelo pesquisador é a cenoura, que quando atacada severamente por nematoides, suas perdas podem chegar à totalidade da produção, uma vez que suas raízes não tem qualidade comercial.

Pinheiro apontou as espécies Meloidogyne, Pratylenchus, Ditylenchus, Rotylenchulus, Scutellonema e Helicotylenchus como as mais decorrentes nos cultivos de hortaliças no país. Além disso, pontuou a interação deles com fungos e bactérias, outros vilões do cultivo. Para ele, a grande dificuldade em minimizar o problema é possuir cultivares com múltipla resistência.

Outro destaque de sua palestra foi a chamada sobre a importância de conscientizar os horticultores sobre os benefícios do manejo integrado e o cuidados diversos para evitar a disseminação dos nematoides nas áreas agrícolas. A informação é a arma inicial para agir com eficiência, reduzindo as perdas causadas por essas pragas, afirmou o pesquisador.

Fonte: Embrapa.

Xô nematoides!

A disseminação de nematoides e outras pragas nas culturas tem acontecido de forma acelerada e generalizada. Os estudos comprovam a necessidade da rotação de culturas com plantas não hospedeiras de nematoides e fitoparasitos.

manejo da Adubação Verde para o controle do nematoide das galhas (Melaidogyne javanica)  e do nematoide das lesões (Pratylenchus brachyurus)  é essencial para um controle eficiente dos nematoides, bem como do aumento da produtividade.

Saiba como a adubação verde pode ajudar no controle de nematoides visitando o Controle os Nematoides, site da Sementes Piraí destinado a apresentar os benefícios da adubação verde no controle de pragas e doenças do solo.

Como o pesquisador Jadir Borges Pinheiro afirmou em sua palestra, a informação é o primeiro passo para controlar essas pragas. O segundo (e essa dica é por nossa conta ;) ) é levar a adubação verde para a sua horta!

Adubação Verde: Emater ensina manejo a produtores rondonienses!

sexta-feira, julho 15th, 2016
Área de cultivo de hortaliças com adubação verde demosntrada na Vitrine Tecnológica - Imagem: Paulo Sérgio/Governo de Rondônia.

Área de cultivo de hortaliças com adubação verde demonstrada na Vitrine Tecnológica – Imagem: Paulo Sérgio/Governo de Rondônia.

A produção e o manejo de adubos verdes para o cultivo de hortaliças domésticas foram os temas da palestra demonstrativa da Emater/RO durante a 5ºRondônia Rural Show, que aconteceu no final de maio em Ji-Paraná.  A ação foi inclusa na Vitrine Tecnológica do evento. Seu objetivo era demonstrar a preparação da área de cultivo de forma sustentável e saudável.

Segundo Jurandy Batista de Mesquita, técnico da Emater, a demonstração também objetivava tirar as dúvidas mais frequentes dos agricultores sobre produção e manejo sustentável, assegurando as condições de produção de forma fácil e rentável.

Os produtores que visitaram a Vitrine Tecnológica conheceram a técnica denominada coquetel de leguminosas, que consiste no mix de várias espécies da família Fabaceae. Sua função é recuperar o solo degradado, preparando-o para o plantio de hortaliças. Mesquita explica que o coquetel de leguminosas ajuda o solo a receber nutrientes oriundos das próprias raízes.

O período de utilização entre plantio e roçagem do coquetel é de 90 dias. Após esse período o produtor pode efetuar o plantio das hortaliças desejadas. O coquetel de leguminosas apresentado na Vitrine Tecnológica foi composto por espécies como soja, milho, girassol, mamona, milheto, feijão de porco e crotalária.

A ação foi mais um importante reforço dos benefícios da adubação verde à produção sustentável. Dessa forma, os produtores comprovaram as possibilidades de melhorias reais oferecidas pela técnica. Esperamos que atitudes como essa sejam replicadas para disseminar e aumentar a quantidade de cultivos beneficiados pela adubação verde. Isso é #adubarofuturo!

Fonte: Rondônia ao Vivo

Saiba mais sobre o uso de adubação verde no cultivo de hortaliças

Você sabia que a adubação verde na horticultura consiste em aproveitar os espaços vazios de produção para fazer a rotação e aproveitar os seus benefícios?

Veja como e quais adubos verdes utilizar nessa rotação acessando o conteúdo destinado às Hortaliças no site da nossa adubadora, Sementes Piraí.

Informe-se e inclua a sustentabilidade produtiva na sua horta, desfrutando das vantagens da adubação verde ;)

 

Sustentabilidade chega às lavouras do Norte Fluminense (RJ) por meio da adubação verde

quinta-feira, julho 14th, 2016

Confira o relato do produtor Joílson Ribeiro sobre a adoção e os resultados observados da técnica

O produtor fluminense Joílson Ribeiro - Imagem: Aline Proença.

O produtor fluminense Joílson Ribeiro – Imagem: Aline Proença.

O produtor fluminense Joílson Ribeiro trabalha majoritariamente com o cultivo de abacaxi, principal cultura agrícola do município de São João da Barra. Anualmente, chega a produzir 40 mil frutos. Ultimamente decidiu diversificar a produção, escolhendo como lavouras alternativas o quiabo e o maxixe. Para tanto, preparou o solo utilizando a adubação verde. Sua contrapartida ambiental foi providenciar o plantio de sementes de leguminosas em um hectare.

A escolha do adubo verde se deu após a indicação do técnico executor do Programa Rio Rural na microbacia Campo de Areia, Cid Retameiro. Segundo ele, a Crotalária-juncea produz em um hectare cerca de 20 toneladas de massa verde. Suas folhas e galhos podem ser misturados ao solo no momento da preparação para o próximo cultivo, por meio do gradeamento.  Dentro do solo, ocorre a decomposição do material orgânico da Crotalária, o que aumenta a absorção dos nutrientes vegetais.

O produtor em sua lavoura na área em utilizou a adubação verde - Imagem: Aline Proença.

O produtor em sua lavoura na área em utilizou a adubação verde – Imagem: Aline Proença.

Há ainda outra opção de adubação verde, com o método de depósito de biomassa da Crotalária na superfície do solo, como uma espécie de capa. Tal capa protege o solo contra a força dos ventos, evitando o ressecamento do solo; também protege contra a radiação solar e ajuda no combate aos nematoides. Além disso, mantém a umidade natural da terra, diminuindo os custos com irrigação, afirma Retameiro.

Confira abaixo a entrevista concedida pelo produtor à nossa equipe:

Sementes Piraí: Como o senhor conheceu a Adubação Verde?

Joílson Ribeiro: Foi através da Emater/RJ, que atua com o projeto Rio Rural. Conhecia a técnica de nome, acerca de um ano e meio, aproximadamente. Faz sete meses que adotei a adubação verde na minha plantação.

Área com Crotalária-juncea, adubo verde recomendado para a demanda produtiva do Sr.Joílson - Imagem: Rio Rural.

Área com Crotalária-juncea, adubo verde recomendado para a demanda produtiva do Sr.Joílson – Imagem: Rio Rural.

SP: Quais espécies o senhor está usando e em quais culturas?

JR: Plantei Crotalária-juncea nos cultivos de maxixe e quiabo.

SP: Quais os resultados o senhor já observou?

JR: Na cultura do quiabo após o corte (incorporação), o legume apresentou melhor qualidade, aspecto mais saudável. Já na cultura do maxixe, a adubação verde protegeu-a dos efeitos do vento e da excessiva exposição ao sol. Percebo os resultados indo além da minha lavoura, já que outros produtores da região estão se animando a adotar a adubação verde, após presenciarem os meus resultados.

SP: Qual a mensagem que o Senhor deixaria para esses e os demais produtores que gostariam de adotar a adubação verde e ainda não o fazem?

JR: Posso dizer, com certeza, que recomendo a adubação verde. É um ótimo negócio para a lavoura.

______________________________________________________________________

Agradecimento

Agradecemos a repórter Aline Proença, da Ex-Libris Comunicação Integrada, pelo envio das fotos e a contribuição para que o contato com o produtor Joílson Ribeiro fosse possível.

______________________________________________________________________

Seja um Defensor da Adubação Verde

Você aderiu à adubação verde para melhorar sustentavelmente as condições produtivas do seu cultivar?

Então compartilhe com a gente esse caso de sucesso! Envie seu depoimento com algumas fotos e seus contatos para esse link. Quem sabe você não é o próximo a aparecer aqui e garantir seu certificado de Defensor da Adubação Verde.

Propagar informação é uma forma de conscientizar mais produtores sobre a importância da adubação verde!