Archive for the ‘Agroecologia’ Category

Biblioteca para a produção agroecológica

quarta-feira, outubro 18th, 2017
normal_Defensivos_alternativos

Crédito da Imagem: Divulgação/Emater.

Investir em conhecimento √© o principal insumo para melhorar a atividade agr√≠cola no pa√≠s. Pensando nisso, a Emater lan√ßou no in√≠cio de setembro o livro “Defensivos alternativos: recomenda√ß√Ķes pr√°ticas para a transi√ß√£o agroecol√≥gica”. A publica√ß√£o conta com autores diversificados. Entre eles, Jo√£o de Ribeiro Reis J√ļnior, engenheiro agr√īnomo.

Seu cerne concentra os produtores que trabalham com a forma de cultivo org√Ęnica e aqueles que desejam sair do padr√£o convencional produtivo, migrando-o pela transi√ß√£o agroecol√≥gica. Segundo J√ļnior, o livro concentra receitas testadas em variadas propriedades do estado ao longo dos √ļltimos anos, mostrando al√©m do que sugere o t√≠tulo da publica√ß√£o, a import√Ęncia do cuidado com a sa√ļde do solo. Nesse sentido, pr√°ticas como a aduba√ß√£o verde, homeopatia e o uso de biofertilizantes s√£o ressaltados. (mais…)

21 de Setembro – Dia da √Ārvore

quinta-feira, setembro 21st, 2017

diadaarvore_sementespirai

Parceira do bem-estar da natureza, colabora com a fotossíntese, faz sombra e ajuda na manutenção das culturas agrícolas, tanto pela adoção do Sistema ILPF, quanto de práticas agroecológicas.

#adubarofuturo é manter as árvores sempre por perto :)

Agricultura familiar do MT testa cultivo agroecológico de feijão

quarta-feira, setembro 20th, 2017
Sistema agroecológico de cultivo do feijão é uma UD em teste pela Empaer/MT.

Sistema agroecológico de cultivo do feijão é uma UD em teste pela Empaer/MT.

O Assentamento Caet√©, localizado no munic√≠pio de Diamantino/MT, foi o escolhido pela Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assist√™ncia e Extens√£o Rural (Empaer-MT), em parceria com o Instituto Agron√īmico de Campinas (IAC) e a Embrapa para o desenvolvimento do projeto de cultivo agroecol√≥gico de feij√£o. Seu objetivo √© refor√ßar o cultivo dessa leguminosa pela agricultura familiar.

A Unidade Demonstrativa (UD) est√° aportando 13 variedades do feijoeiro comum como carioca, rajado, roxo e preto, enquanto 15 outros produtores do mesmo assentamento testam duas variedades rec√©m lan√ßadas pela Embrapa, a BRS Estilo e a BRS Madrep√©rola. Tal a√ß√£o conta com apoio financeiro do Instituto Votorantim, em parceria com a Empaer-MT, visando a retomada do policultivo. (mais…)

Oportunidade: CNPq abre vaga de pesquisa sobre agroecologia e org√Ęnicos no ES

quinta-feira, janeiro 19th, 2017
A chamada do CNPq visa melhorar o trabalho da agroecologia, do cultivo org√Ęnico e dos sistemas produtivos baseados em tais op√ß√Ķes produtivas - Imagem: Assessoria de Comunica√ß√£o/ Seag (ES).

A chamada do CNPq visa melhorar o trabalho da agroecologia, do cultivo org√Ęnico e dos sistemas produtivos baseados em tais op√ß√Ķes produtivas – Imagem: Assessoria de Comunica√ß√£o/ Seag (ES).

Nosso recado hoje √© destinado aos pesquisadores do Esp√≠rito Santo! O Conselho Nacional de Desenvolvimento Cient√≠fico e Tecnol√≥gico (CNPq) abriu, na semana passada, a Chamada MCTIC/MAPA/MEC/SAF-CASA CIVIL/CNPQ N¬ļ 21/2016. As incri√ß√Ķes poder√£o ser feitas at√© 10/03 pelo site do Conselho. Foi apresentado o investimento de mais de 10 milh√Ķes de reais em pesquisas nas √°reas de Agroecologia, Produ√ß√£o Org√Ęnica e promo√ß√£o dos Sistemas Org√Ęnicos de produ√ß√£o nas modalidades de ensino, pesquisa e extens√£o.

Atualmente, a agroecologia j√° √© realidade para 300 produtores capixabas, que possuem a certifica√ß√£o org√Ęnica. Tal tipo de produ√ß√£o √© reconhecida como boa alternativa socioprodutiva, que valoriza a cultura local e proporciona a internaliza√ß√£o do tema nas institui√ß√Ķes de pesquisa, ensino e extens√£o. (mais…)

Org√Ęnicos: novas tecnologias vem por a√≠!

quinta-feira, dezembro 1st, 2016
As fichas agroecol√≥gicas s√£o mais um est√≠mulo ao crescimento da produ√ß√£o org√Ęnica no pa√≠s - Imagem: Divulga√ß√£o.

As fichas agroecol√≥gicas s√£o mais um est√≠mulo ao crescimento da produ√ß√£o org√Ęnica no pa√≠s – Imagem: Divulga√ß√£o.

O Minist√©rio da Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento divulgou um documento que apresenta as tecnologias mais adequadas para o cultivo org√Ęnico. Nomeado de Fichas Agroecol√≥gicas: Tecnologias Apropriadas para a Produ√ß√£o Org√Ęnica, o documento teve tiragem inicial de 5.000 exemplares, que est√£o sendo distribu√≠dos desde o √ļltimo dia 22 para n√ļcleos de agroecologia, universidades e para projetos de extens√£o.

O documento cont√©m informa√ß√Ķes sobre manejo de solo, manejo das plantas, preparo de insumos para controle sanit√°rio animal e vegetal, aduba√ß√£o verde, dentre outras tecnologias prop√≠cias a esse tipo de cultivo. Todo o material foi constru√≠do visando facilitar a dissemina√ß√£o e a compreens√£o dos agricultores, com uma linguagem did√°tica e que promova, diretamente e indiretamente, a amplia√ß√£o de produ√ß√Ķes org√Ęnicas pelo pa√≠s. (mais…)

2¬ļSimp√≥sio de Agroecologia – UERR

sexta-feira, outubro 14th, 2016
Imagem: UERR

Imagem: UERR

A Universidade Estadual de Roraima, por meio de seu Programa de P√≥s-Gradua√ß√£o Mestrado Acad√™mico em Agroecologia, convida para o 2¬ļSimp√≥sio de Agroecologia,¬† a ser realizado entre 17 e 19 de outubro na sede da UERR em Boa Vista, paralelo a IX Semana Nacional de Ci√™ncia e Tecnologia em Roraima (SNCT-RR).

No primeiro dia do evento trabalhos acadêmicos serão apresentados na SNCT e a palestra principal do Simpósio será do Dr. Carlos Alberto Barbosa Medeiros (Embrapa Clima Temperado) sobre agroecologia e segurança alimentar.

No dia 18, segundo dia de evento, sete palestras movimentar√£o o Simp√≥sio, entre elas o “Relato de experi√™ncias agroecol√≥gicas em Roraima”, por Francisco Canind√© da Silva Bessa (Hortivida) e “Aduba√ß√£o Verde em sistemas agroecol√≥gicos, por Dr. Arison Jos√© Pereira, (Universidade do Tocantins). As apresenta√ß√Ķes de trabalhos da SNCT tamb√©m prosseguem. (mais…)

Agricultura familiar brasileira nos olhos do mundo!

quarta-feira, outubro 5th, 2016
O FIDA financia projetos que levem desenvolvimento de forma sustentável à agricultura familiar - Imagem: MDA/FIDA/Ubijara Machado.

O FIDA financia projetos que proporcionem desenvolvimento de forma sustentável à agricultura familiar РImagem: MDA/FIDA/Ubijara Machado.

Kanayo F. Nwanze, Presidente do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agr√≠cola (FIDA/ONU), afirmou que o Brasil tem muito a ensinar ao mundo sobre agricultura familiar e sua import√Ęncia. A declara√ß√£o foi dada em meados de junho na v√©spera de sua visita ao pa√≠s.

Nwanze pontuou que a agricultura familiar¬† tem peso importante para a alimenta√ß√£o do pa√≠s, cen√°rio esse refor√ßado com o dado de que 70% dos g√™neros aliment√≠cios consumidos pelo mercado interno s√£o produzidos pelo setor. Mais uma comprova√ß√£o de que a agricultura familiar tem condi√ß√Ķes suficientes para ajudar na tarefa de alimentar o mundo.

A visita do presidente do FIDA teve endere√ßo certo, duas cooperativas financiadas pelo fundo no Estado da Bahia. Segundo Kanayo, a parceria do Fundo com o pa√≠s j√° passa de tr√™s d√©cadas e trabalha para reduzir a pobreza e transformar as √°reas rurais em produ√ß√Ķes sustent√°veis, que colaboram para a produtividade e rentabilidade dos produtores. Al√©m disso, o FIDA atua no compartilhamento de inova√ß√Ķes desenvolvidas no Brasil para o resto do mundo, como m√©todos de produ√ß√£o org√Ęnica e agroecol√≥gica, coleta de √°gua e tecnologias de conserva√ß√£o e metodologias de planejamento participativo. (mais…)

Produtores cariocas aprendem sobre o controle de pragas!

segunda-feira, setembro 12th, 2016
Imagem: Liliane Bello/Embrapa.

Imagem: Liliane Bello/Embrapa.

A Embrapa Agrobiologia esteve atuando, no início de julho, junto aos produtores familiares da região rural de Seropédica e Paracambi, Rio de Janeiro, para ensiná-los sobre a identificação e o manejo correto para o controle de pragas. Movidos pela falta de conhecimento dos agricultores sobre o reconhecimento de insetos benéficos ao controle biológico, cerca de 30 técnicos extensionistas trabalham na capacitação.

A a√ß√£o √© parte integrante do curso Planejamento, implanta√ß√£o e manejo de sistemas integrados de produ√ß√£o agroecol√≥gica, ministrado pelo Programa Rio Rural. A Embrapa atua na parceria como frente de instru√ß√£o. O m√≥dulo de controle de pragas contou com uma aula te√≥rica que detalhou os insetos ben√©ficos e os “vil√Ķes” das produ√ß√Ķes. Ap√≥s as explica√ß√Ķes os produtores forem levados a campo para praticar os conhecimentos adquiridos.

O curso tem capacitado os agricultores sobre boas pr√°ticas produtivas, baseadas na agroecologia, desde mar√ßo. E os m√≥dulos j√° apresentaram temas como aduba√ß√£o verde, produ√ß√£o de mudas de hortali√ßas org√Ęnicas e fruticultura org√Ęnica. (mais…)

Produtores goianos aprendem sobre manejo agroecológico em seminário!

segunda-feira, setembro 5th, 2016
Manejo agroecológico foi o tema do seminário realizado pela Emater/GO e Embrapa - Imagem: Jornal Ocupação/O extensionista.

Manejo agroecológico foi o tema do seminário realizado pela Emater/GO e Embrapa РImagem: Jornal Ocupação/O extensionista.

No início de julho a cidade de Teresópolis de Goiás recebeu o seminário sobre Manejo Agroecológico ministrado pela Emater -GO  em parceria com a Embrapa. A intenção do evento foi apresentar os benefícios desse tipo de manejo, visto como prática sustentável, aos pequenos produtores.

O semin√°rio abordou o manejo do solo com base na agroecologia, ci√™ncia que estuda e pesquisa as variadas pr√°ticas sustent√°veis e produtivas. O tema foi discutido nas palestras e recebeu muitas d√ļvidas e exposi√ß√Ķes por parte do p√ļblico.

Outra tema pontuado no evento foi a utiliza√ß√£o de compostos org√Ęnicos, como o capim e o excremento animal, para a realiza√ß√£o do manejo agroecol√≥gico de forma econ√īmica. Tal a√ß√£o dispensa o uso de fertilizantes sint√©ticos, viabilizando a reciclagem de tais compostos. (mais…)

Empaer e o Projeto Raízes em Mato Grosso!

terça-feira, agosto 23rd, 2016
O Projeto Ra√≠zes quer aumentar o n√ļmero de produ√ß√Ķes agroecol√≥gicas/org√Ęnicas no munic√≠pio de Cl√°udia - Imagem: Divulga√ß√£o;

O Projeto Ra√≠zes quer aumentar o n√ļmero de produ√ß√Ķes agroecol√≥gicas/org√Ęnicas no munic√≠pio de Cl√°udia – Imagem: Divulga√ß√£o.

O m√™s de julho marcou o in√≠cio de um novo tempo em termos de conhecimento para os produtores do munic√≠pio de Cl√°udia, distante 620km da capital Cuiab√°. No dia 28 a Empaer apresentou o Projeto Ra√≠zes, que tem como cerne a demonstra√ß√£o das Unidades de Refer√™ncia Tecnol√≥gica (URT) com a inser√ß√£o de tecnologia voltada √†s bases de produ√ß√£o agroecol√≥gica e ao cultivo org√Ęnico. Na oportunidade, os produtores visitaram uma URT voltada a olericultura.

O Projeto Ra√≠zes planeja implantar quatro URTs no munic√≠pio, visando as principais vertentes produtivas: olericultura, fruticultura, mandiocultura e frango semi-caipira.¬† As URTs servir√£o de base e est√≠mulo aos produtores para que eles conhe√ßam as melhorias no cultivo agroecol√≥gico/org√Ęnico, elevando assim a qualidade do produto ofertado e por consequ√™ncia, seu valor.

Como exemplo da transi√ß√£o agroecol√≥gica o p√ļblico visitou a propriedade da fam√≠lia Marinho da Silva, que cultiva folhosas, beterraba, quiabo, melancia, pepino, mel√£o, entre outros produtos. A produ√ß√£o j√° recebe alguns cuidados agroecol√≥gicos como as t√©cnicas de cuidados e manejo do solo, a inser√ß√£o de plantas de cobertura e a aduba√ß√£o verde.

A Empaer espera atingir diretamente 62 propriedades destinadas ao cultivo horticultor e algumas destinadas ao cultivo de frutas, al√©m de propriedades mistas como a visitada no dia do evento. O Projeto Ra√≠zes quer elevar o conhecimento e a capacita√ß√£o de cada produtor para que no futuro, nem t√£o distante assim, eles possam caminhar com as pr√≥prias pernas s√≥ colhendo os benef√≠cios da escolha org√Ęnica/agroecol√≥gica.

Fonte: FolhaMax

Explorando a adubação verde

Como mencionado acima, a aduba√ß√£o verde far√° parte do processo de transi√ß√£o agroecol√≥gica, contribuindo para o melhoramento natural das condi√ß√Ķes f√≠sicas, qu√≠micas e biol√≥gicas.

Para saber como a aduba√ß√£o verde atua nas culturas de hortali√ßas, frutas e org√Ęnicos e implantar essa a√ß√£o sustent√°vel e econ√īmica tamb√©m na sua produ√ß√£o, basta acessar o site da nossa adubadora Sementes Pira√≠ e navegar por todos os conte√ļdos informativos e atualizados sobre os benef√≠cios da aduba√ß√£o verde.

Transforme sua produção com a adubação verde: o solo e o meio ambiente só terão a agradecer ;)

 

Agroecologia se consolida em Corumb√°/MS!

segunda-feira, agosto 22nd, 2016
Registro da Feira Agroecológica que acontece toda terça no campus da UFMS em Corumbá - Imagem: Kleverton Velasques/Portal da Prefeitura de Corumbá.

Registro da Feira Agroecológica que acontece toda terça no campus da UFMS em Corumbá РImagem: Kleverton Velasques/Portal da Prefeitura de Corumbá.

Através da ajuda da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) a agroecologia tem ganhado espaço e o gosto dos consumidores. Isso porque há pouco mais de dois meses o campus de Corumbá cedeu aos produtores um espaço para a realização da feira de produtos agroecológicos. O sucesso é comprovado a olhos vistos e tem contribuído para ajudar os agricultores familiares da região a aumentar suas rendas e garantir melhor qualidade de vida.

O caminho para chegar até a feira passou por vários projetos de transição agroecológica desenvolvidos e apoiados pela Universidade e pela Embrapa Pantanal. Atualmente o grupo de agricultores participantes da feira formou um grupo batizado de Bem-Estar, produzindo alimentos agroecológicos e vendendo-os a preço justo.

A feira j√° conta com seis produtores e deve aumentar esse n√ļmero em breve, uma vez que novas comunidades produtivas est√£o se aproximando da Universidade para participar da a√ß√£o. O p√ļblico consumidor tamb√©m aumenta a cada dia, pois a divulga√ß√£o boca-a-boca tem expandido as fronteiras desse com√©rcio direto, natural e econ√īmico. A Embrapa Pantanal visita com frequ√™ncia o local para acompanhar a evolu√ß√£o do projeto.

Para os adubadores do futuro de Corumbá que nos acompanham fica o recado: toda terça-feira, das 8h às 11h, acontece a Feira Agroecológica. O local é o campus da UFMS na avenida Rio Branco, 1.240, Bairro Universitário.

Fonte: Agrolink

A contribuição da adubação verde para a agroecologia

A aduba√ß√£o verde √© uma t√©cnica agr√≠cola que coopera com as bases de produ√ß√£o agroecol√≥gica porque cuida do solo e controla pragas e doen√ßas de forma natural pelo uso dos adubos verdes, esp√©cies vegetais que promovem a sa√ļde produtiva de forma econ√īmica e 100% sustent√°vel.

Saiba mais sobre o que a adubação verde pode fazer pelo cultivo agroecológico acessando a loja online de sementes para adubação verde EcoSeeds, conheça todas as sementes, escolha aquela mais adequada à sua produção e entre para o time dos produtores 100% parceiros do meio ambiente.

 

12¬ļ Semin√°rio Regional de Agroecologia em Ibi√ļna/SP

sexta-feira, agosto 19th, 2016
Imagem: Divulgação.

Imagem: Divulgação.

No pr√≥ximo dia 27 a cidade de Ibi√ļna/SP sediar√° o 12¬ļ Semin√°rio Regional de Agroecologia.

O objetivo √© apresentar os benef√≠cios da agricultura ecol√≥gica aos produtores demonstrando t√©cnicas, partilhando experi√™ncias, pontuando novidades em termos de certifica√ß√£o compartilhada, refor√ßando a import√Ęncia da comunica√ß√£o e do marketing aos pequenos produtores, entre outros temas.

Na programa√ß√£o, com dura√ß√£o de oito horas, constam palestras, homenagens e vendas de produtos org√Ęnicos no local.

O evento √© uma realiza√ß√£o do Sindicato Rural de Ibi√ļna e do Servi√ßo Nacional de Aprendizagem Rural e acontecer√° no Centro Cultural de Ibi√ļna e √© gratuito.

Para mais informa√ß√Ķes entre em contato com o Sindicato pelo telefone (15) 3241-1006.

Como sempre falamos aqui, essa √© mais uma oportunidade de aumentar o n√ļmero de adubadores do futuro, conscientizando mais produtores que produzir sustentavelmente gera riqueza social, qualidade de vida e ajuda a #adubaofuturo do meio ambiente.

_________________________________________________________________________

Adubação Verde e Agroecologia

Voc√™ sabia que a aduba√ß√£o verde √© uma t√©cnica agroecol√≥gica? Pois bem, o uso de adubos verdes consiste em uma pr√°tica sustent√°vel que recupera, condiciona e ou melhora a sa√ļde do solo, potencializando seus aspectos qu√≠micos, f√≠sicos e biol√≥gicos.

Pode ser incorporada em diversas culturas como a produ√ß√£o org√Ęnica.

Para saber mais os benefícios da adubação verde acesse o site da nossa adubadora, Sementes Piraí, e planeje sua guinada verde e produtiva.

 

N√ļmero de produtores org√Ęnicos aumenta 10 vezes em tr√™s anos no Noroeste Fluminense

segunda-feira, agosto 15th, 2016

______________________________________________________________________

Obs: O texto de hoje √© uma reprodu√ß√£o integral do excerto de Aline Proen√ßa, da Ex-Libris Comunica√ß√£o Integrada.¬†Agradecemos e creditamos √† Aline todo o conte√ļdo textual e imag√©tico postado abaixo.

______________________________________________________________________

Segundo agricultores, a adubação verde tem sido importante para garantir a reabilitação e enriquecimento do solo

Luciana Andrade afirma estar satisfeita com a produ√ß√£o org√Ęnica, que aumentou sua renda e enriqueceu o solo - Imagem: Aline Proen√ßa.

Luciana Andrade afirma estar satisfeita com a produ√ß√£o org√Ęnica, que aumentou sua renda e enriqueceu o solo – Imagem: Aline Proen√ßa.

Temperaturas elevadas, solo desgastado, falta de chuva e de m√£o-de-obra. Mesmo longe das condi√ß√Ķes ideais para qualquer planta√ß√£o, resultados surpreendentes v√™m sendo obtidos no cultivo de alimentos org√Ęnicos no Noroeste Fluminense, regi√£o do estado¬†com maior quantidade de terras degradadas. H√° tr√™s anos, apenas nove agricultores vendiam produtos org√Ęnicos. Hoje, 89 s√£o credenciados pelo Minist√©rio da Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento (MAPA) para realizar essa atividade¬†‚Ästum¬†aumento de mais de 10 vezes.

A movimenta√ß√£o do setor e a ado√ß√£o de pr√°ticas agroecol√≥gicas s√£o resultados do trabalho da Rede de Pesquisa, Inova√ß√£o, Tecnologia e Servi√ßos Sustent√°veis ‚Äď mais conhecida como Rede de Agroecologia, articulada desde 2012 pelo Rio Rural, programa da secretaria estadual de Agricultura. O grupo, coordenado pela Pesagro-Rio, conta com a participa√ß√£o de √≥rg√£os p√ļblicos e privados, como MAPA, Embrapa, Sebrae, Cedro (Cooperativa de Consultoria, Projetos e Servi√ßos em Desenvolvimento Sustent√°vel) e Emater-Rio.

Nos √ļltimos tr√™s anos, a Rede de Agroecologia identificou e capacitou produtores que queriam substituir a produ√ß√£o convencional¬†‚Ästcom uso de agrot√≥xicos e fertilizantes qu√≠micos¬†‚Äď pela cultura org√Ęnica, que utiliza processos naturais de nutri√ß√£o vegetal. No Noroeste Fluminense, o destaque √© a produ√ß√£o de hortali√ßas.

Do ‚Äúpedregulho‚ÄĚ ao o√°sis

Rodeada por centenas de p√©s de salsinha, cebolinha, taioba e br√≥colis, Luciana Andrade n√£o sente falta da agricultura convencional. ‚ÄúEu s√≥ plantava couve e trabalhava no sol, era desgastante. Eu vendia tudo para o atravessador‚ÄĚ, lembra a produtora da microbacia Santa Maria, em S√£o Jos√© de Ub√°.

Ela fez a transi√ß√£o para a produ√ß√£o org√Ęnica por meio do sistema de mandala, em que a planta√ß√£o toma o formato de um c√≠rculo.¬†A recupera√ß√£o do terreno, com solo empobrecido e cheio de pedras, se deu de forma lenta, mas recompensadora.

‚ÄúQuando a terra √© degradada, o trabalho de recupera√ß√£o ambiental demora mais, pois √© preciso devolver os nutrientes e, principalmente, mat√©ria org√Ęnica. A aduba√ß√£o verde ajuda muito nesse trabalho de reabilita√ß√£o da terra‚ÄĚ, menciona o consultor do Sebrae, Jo√£o Batista dos Santos.

Ele explica que embora Luciana n√£o tenha plantado os tradicionais vegetais de perfil adubador, como crotal√°ria e feij√£o de corda, a op√ß√£o foi pela aduba√ß√£o verde por meio da ro√ßada. Diferente da capina, em que a planta √© cortada pela raiz, a ro√ßada representa o corte superficial dos canteiros, pois as plantas espont√Ęneas que v√£o surgindo podem sufocar o cultivo. A mat√©ria org√Ęnica retirada com a ro√ßada volta para a terra, enriquecendo e protegendo o solo. Essa biomassa vira adubo, al√©m de impedir que o sol queime a terra ou a desagregue, caso chova muito. “A aduba√ß√£o verde √© uma pr√°tica em expans√£o no Noroeste Fluminense. Mesmo com cuidados mais exigentes na hora do trato, os produtores est√£o percebendo pela pr√≥pria experi√™ncia o quanto ela √© eficiente”, complementa o consultor.

Luciana Andrade afirma que a aduba√ß√£o verde e a agricultura org√Ęnica valeram a¬†pena, pois a produ√ß√£o foi diversificada ‚Äď a prefer√™ncia √© pelo cultivo de hortali√ßas que rebrotam, j√° que ela trabalha sozinha e economiza tempo no plantio ‚Äď e come√ßou a ser vendida em feiras, al√©m do fornecimento para a merenda escolar. ‚ÄúGanhei independ√™ncia financeira e me orgulho de ver a propriedade viva, com p√°ssaros e insetos. Virou o meu o√°sis‚ÄĚ, confessa.

Certificação

Um alimento cultivado sem agrot√≥xicos ou adubos qu√≠micos n√£o √©, necessariamente, org√Ęnico. O Minist√©rio da Agricultura estabelece normas de produ√ß√£o para a concess√£o da certifica√ß√£o org√Ęnica, entre elas, o uso de aduba√ß√£o natural e a constru√ß√£o de barreiras entre propriedades rurais, a fim de evitar que produtos qu√≠micos sejam espalhados pelo vento e atinjam lavouras org√Ęnicas.

A certifica√ß√£o √© importante para garantir ao consumidor a seguran√ßa na qualidade dos produtos que ele adquire. No caso dos agricultores familiares que fazem a venda direta ao consumidor, os produtos n√£o precisam ter, obrigatoriamente, um selo. No entanto, para que os produtores provem a autenticidade dos alimentos ‚Äď esp√©cie de declara√ß√£o de produ√ß√£o org√Ęnica ‚Äď, eles precisam fazer parte de uma Organiza√ß√£o de Controle Social (OCS), entidade credenciada junto ao MAPA.

A organização é administrada pelos próprios produtores que, por meio de visitas às lavouras, fiscalizam uns aos outros, para observar se a legislação está sendo cumprida.

O produtor Luiz Carlos Curty tem planta√ß√£o de beterraba, salsinha, cebola, couve e taioba na microbacia C√≥rrego de Ub√°, tamb√©m em S√£o Jos√© de Ub√°. O colega de profiss√£o de Luciana afirma que as vistorias da OCS s√£o muito importantes. ‚ÄúQuando fazemos essa atividade, aproveitamos para aprender com os erros e acertos dos outros agricultores. A troca de conhecimento nos enriquece‚ÄĚ, declara.

No Noroeste, existem 11 dessas organiza√ß√Ķes.¬†A comprova√ß√£o garantida pela OCS tamb√©m √© importante para que os agricultores familiares org√Ęnicos acessem programas institucionais de comercializa√ß√£o de alimentos, como o Programa Nacional de Alimenta√ß√£o Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisi√ß√£o de Alimentos (PAA), do governo federal.

Expans√£o

Para estreitar a rela√ß√£o com o p√ļblico e promover o interc√Ęmbio produtivo entre as cidades, os agricultores do Noroeste pretendem implantar na regi√£o um projeto semelhante ao Circuito Carioca de Feiras Org√Ęnicas, presente em 19 bairros da capital e Regi√£o Metropolitana do Rio.

‚ÄúMelhorar a estrat√©gia de comercializa√ß√£o √© um desafio. A troca de experi√™ncias vai ser muito positiva. Na capital j√° deu certo‚ÄĚ, sinaliza o agricultor de Varre-Sai, Jorge Luiz Martins.¬†Os desafios e estrat√©gias para evolu√ß√£o da cadeia de org√Ęnicos do Noroeste s√£o debatidos regularmente em semin√°rios promovidos pela Rede de Agroecologia.

O secret√°rio estadual de Agricultura, Christino √Āureo, afirma que as a√ß√Ķes do Rio Rural tendem a fortalecer cada vez mais a produ√ß√£o de alimentos saud√°veis no interior fluminense. ‚ÄúO produtor tinha apenas vontade. Agora possui incentivo, conhecimento e assist√™ncia t√©cnica. Org√Ęnico √© qualidade de vida no campo e na cidade‚ÄĚ, enfatiza √Āureo.

Para Ana Paula Pegorer, consultora do Rio Rural e uma das articuladoras da Rede de Agroecologia, o apoio dos munic√≠pios √© essencial para a expans√£o do setor. ‚ÄúNo Rio, 64 cidades t√™m produ√ß√£o org√Ęnica, ou seja, 70% do estado. Quanto mais as prefeituras comprarem org√Ęnicos na merenda escolar e ajudarem com espa√ßo para feiras, mais o pequeno agricultor ter√° a oferecer‚ÄĚ, defende.

______________________________________________________________________

Seja você também um adubador verde!

Conhe√ßa todos os benef√≠cios da aduba√ß√£o verde na agricultura org√Ęnica acessando o site da Sementes Pira√≠, nossa adubadora.

Se informe e leve mais produtividade com sustentabilidade para a sua produção ;)

Desenvolvimento sustent√°vel do pa√≠s passa pela agricultura org√Ęnica!

quarta-feira, agosto 10th, 2016
A agricultura org√Ęnica √© um dos caminhos para que o Brasil cumpra todo o documento da ONU - Imagem: Divulga√ß√£o.

A agricultura org√Ęnica √© um dos caminhos para que o Brasil cumpra todo o documento “Objetivos de Desenvolvimento Sustent√°vel” da ONU – Imagem: Divulga√ß√£o.

Para a ambientalista e urbanista Nina Orlow a agricultura org√Ęnica ser√° um dos pilares que o Brasil ter√° para alcan√ßar os Objetivos de Desenvolvimento Sustent√°vel (ODS) estabelecidos pela Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas (ONU). Tal documento prev√™ uma s√©rie de medidas que objetivam combater diversos problemas sociais, como a fome e o aquecimento global. O documento come√ßou a ser executado em 2003 e seu t√©rmino limite constar√° em 2030.

Porém, para Nina, o caminho brasileiro a ser percorrido nesse cenário é longo e ainda progride em passos de tartaruga. Apenas 1% das terras agricultáveis do país tem como bases a produção sustentável e agroecológica. Além disso, as pesquisas na área são poucas e o agricultor encontra obstáculos burocráticos, tanto financeiramente, quanto na parte de aquisição de sementes não- transgênicas.

Em contraponto, o governo brasileiro afirma que o crescimento de produ√ß√Ķes org√Ęnicas vem movimentando e instigando novos produtores a aderirem √† tal op√ß√£o. Para o MAPA, o envolvimento da sociedade √© fator crucial para o desenvolvimento desse tipo de cultivo crescer em maior escala. Orlow pontua que a ideia da alimenta√ß√£o saud√°vel √© a for√ßa que parte da sociedade para fomentar e at√© exigir uma agricultura mais sustent√°vel.

√Č preciso que se compreenda, de uma vez por todas, que o melhor desenvolvimento social do pa√≠s tem sua maior fatia de contribui√ß√£o oriunda da produ√ß√£o org√Ęnica. E os benef√≠cios v√£o al√©m da esfera social, uma vez que o meio ambiente tamb√©m sente os reflexos de produ√ß√Ķes naturais. Para o que o Brasil avance nesse sentido e feche todas as quest√Ķes pontuadas pelo documento da ONU essa mentalidade precisa ser abra√ßada. S√≥ assim, a agricultura org√Ęnica tomara seu espa√ßo e contribuir√° para #adubarofuturo por aqui.

Fonte: Globo Rural.

Org√Ęnicos e aduba√ß√£o verde

A aduba√ß√£o verde √© uma t√©cnica agr√≠cola milenar totalmente compat√≠vel com as bases de produ√ß√£o sustent√°vel, que beneficiam a agricultura org√Ęnica.

Mas como isso acontece?

Acontece pelo uso de diversas espécies de adubos verdes misturados, chamado de mix, coquetel e composto, que dessa forma aumenta a biodiversidade e os efeitos positivos da adubação verde pelas diferenças de cada espécie.

Saiba mais como levar a aduba√ß√£o verde para a sua produ√ß√£o org√Ęnica acessando o site da Sementes Pira√≠ e navegando pelo conte√ļdo destinado √† agricultura org√Ęnica.

 

Conserva√ß√£o do solo e produ√ß√£o sustent√°vel re√ļne produtores ga√ļchos!

terça-feira, agosto 9th, 2016
Imagem: Emater.

Imagem: Emater/RS – Ascar.

Em meados de julho mais uma atividade coletiva da Chamada P√ļblica da Agroecologia movimentou os produtores de Santa Rosa/RS interessados em produ√ß√Ķes mais sustent√°veis. O encontro, sediado na Linha Sete Norte, mostrou aos agricultores algumas lavouras com plantas de cobertura, como o nabo-forrageiro e a aveia. Al√©m disso, a conversa abriu espa√ßo para pontuar quest√Ķes sobre manejo de solo e da √°gua.

Falando do solo, a conversa entre produtores e t√©cnicos da Emater/RS – Ascar come√ßou com as informa√ß√Ķes sobre a forma√ß√£o do solo regional, os problemas oriundos de seu mau uso e as experi√™ncias observadas com as pr√°ticas conservacionistas. J√° no campo os t√©cnicos apresentaram as possibilidades de produzir com sustentabilidade, como a import√Ęncia da an√°lise f√≠sica e qu√≠mica da terra, bem como a observa√ß√£o do n√≠vel de compacta√ß√£o do solo em comparativo a cada tipo de lavoura. As pr√°ticas conservacionistas surgem como op√ß√£o no per√≠odo p√≥s-observat√≥rio das caracter√≠sticas naturais do solo, incluindo o tempo da natureza.

Outro tema bem debatido no encontro foi a preocupação dos produtores com a cobertura do solo e a profundidade das raízes. Para sustentabilizar esse cenário a rotação de culturas foi indicada pelos técnicos como uma opção rentável, considerando o volume de aproximadamente 12 toneladas de palhada por hectare ao ano.

A oportunidade de trocar de ideias e explana√ß√£o de d√ļvidas contribuiu para reafirmar a preocupa√ß√£o com o meio ambiente alinhado √† produtividade agr√≠cola. Produ√ß√Ķes sustent√°veis cooperam com o meio ambiente, com o bolso do produtor, com a qualidade dos produtos ofertados e tamb√©m geram impacto nas pol√≠ticas p√ļblicas, uma vez que podem disponibilizar seus recursos em a√ß√Ķes de aprimoramento e n√£o de “conserto” da natureza. Isso √© #adubarofuturo!

Fonte: Agrolink

Para falar de sustentabilidade, vamos falar de adubação verde?

A mat√©ria acima indicou duas das op√ß√Ķes existentes em adubos verdes que contribuem para a cobertura do solo, melhorando seus aspectos qu√≠micos, f√≠sicos e biol√≥gicos: nabo-forrageiro e aveia (conhecidos como adubos verdes de inverno).

Por√©m, h√° outras esp√©cies (indicadas para o per√≠odo primavera-ver√£o) que podem ajudar, nesse momento, o produtor a melhorar sua produtividade de forma econ√īmica, garantindo sua rentabilidade. Conhe√ßa os adubos verdes da Sementes Pira√≠, informe-se sobre suas funcionalidades e planeje o cuidado com o seu solo contando com a aduba√ß√£o verde.

Faça esse pacto com a natureza por dias mais produtivos e meio ambiente mais conservado!